Publicidade

Correio Braziliense

PCDF prende integrante de quadrilha de furto de veículos que hackeou Detran

O grupo retirava as restrições de furto e roubo dos automóveis para realizar a venda dos carros sem levantar suspeitas. Para isso, reativavam senhas de servidores inativos do Detran e da PCDF


postado em 02/06/2020 11:29 / atualizado em 02/06/2020 13:34

 Um dos integrantes da organização criminosa foi preso durante a operação(foto: PCDF/Divulgação)
Um dos integrantes da organização criminosa foi preso durante a operação (foto: PCDF/Divulgação)
A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu um dos integrantes de uma quadrilha especializada em furto de veículos. Dois estão foragidos. O esquema era considerado complexo pelos investigadores, uma vez que o grupo conseguiu hackear o sistema informatizado do Departamento de Trânsito (Detran-DF) para retirar as restrições de roubo e furto dos carros das vítimas dos criminosos. Assim, eles conseguiam revender os automóveis sem levantar suspeitas. A ação da Divisão de Repressão à Adulteração e Desmanche Ilegal de Veículos (Dirad), ligada à Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri) ocorreu nesta terça-feira (2/6). 

Segundo o delegado Erick Sallum, diretor da Dirad, a atuação da quadrilha veio à tona quando as vítimas procuravam a unidade especializada para obter mais informações sobre a retirada da restrição de furto dos veículos. “Alguma vítimas compareceram à Corpatri muito nervosas, explicando que tiveram o carro furtado e tinham acionado o seguro para receber o prêmio. A seguradora, ao fazer a pesquisa básica para confirmar o crime, localizava o automóvel em circulação e em nome de outra pessoa. Então, a empresa se negava a pagar o valor à vítima”, explica. 

“Ao serem informadas pela seguradora que não havia nenhuma restrição de furto do veículo, as vítimas nos procuravam, pois a Dirad é responsável por lançar essas restrições no setor do Detran. Assim, um dos nossos agentes confirmou que realmente tinha ocorrido a baixa, mas de forma irregular, pois o automóvel não tinha sido encontrado”, acrescenta o investigador. 

Ainda de acordo com o delegado, no início da apuração, gerou-se a suspeita da participação de servidores. “O grupo já estava atuando há um tempo, mas o complexo esquema os manteve fora do nosso radar. Quando identificamos a atuação deles, chegamos a suspeitar que poderiam ter policiais envolvidos. Mas, ao aprofundarmos a investigação, descobrimos que eles tinham hackeado o sistema do Detran e  reativado senhas de servidores inativos das duas corporações. Com esse acesso eles excluíam as restrições de furto e roubo dos veículos que tinham conseguido de forma criminosa”, afirma Erick Sallum. 

Welvis da Silva Alves, conhecido como %u201CNegão%u201D (E), e Weberson Alves da Cruz (D) estão foragidos(foto: PCDF/Divulgação)
Welvis da Silva Alves, conhecido como %u201CNegão%u201D (E), e Weberson Alves da Cruz (D) estão foragidos (foto: PCDF/Divulgação)
A primeira fase da Operação Xeque Mate ocorreu em 8 de abril, quando dois suspeitos foram presos. A partir da dupla, os agentes conseguiram identificar os três alvos da segunda fase desta ação. Um dos suspeitos, de 45 anos, acabou preso e prestará esclarecimentos. Dois estão foragidos: o líder da associação criminosa, Welvis da Silva Alves, conhecido como “Negão”, e Weberson Alves da Cruz. Quem tiver qualquer informação sobre o paradeiro dos acusados pode denunciar anonimamente (veja Denuncie).

“Negão” já tinha sido preso anteriormente em 2018, em uma operação da Corpatri, contra o crime de roubo de cargas. Além das prisões, também foram apreendidos três veículos, documentos falsos, procurações e um telefone roubado. Os envolvidos no esquema responderão por associação criminosa, furto, estelionato, fraude documental e violação de sistema de informática. A somatória das penas ultrapassa 20 anos de reclusão.

O Correio entrou em contato com o Detran-DF e a reportagem será atualizada com o posicionamento da corporação quando o material for recebido.



Venda ilegal sem suspeita

Depois de dar a baixa nas restrições de furto e roubo dos veículos, o grupo emitia procurações falsas em cartórios da Bahia. Com os documentos, eles conseguiram retirar a segunda via do Documento Único de Transferência (DUT) no Detran. 

Com a primeira parte do esquema resolvida, os suspeitos vendiam os automóveis "legalmente" para terceiros, que pensavam estar realizando uma negociação regular. Assim, essas outras vítimas só souberam do crime após a apuração policial.

Os agentes conseguiram recuperar e restituir dois dos carros furtados pela quadrilha aos verdadeiros donos. As pessoas que compraram o veículo da quadrilha acabaram com o prejuízo. 


Leilão falso

Os policiais também identificaram que o grupo havia criado um sitio eletrônico fraudulento de serviços de leilão de carros do Detran, falsamente autorizado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) para realização das atividades. 

Os suspeitos criaram o endereço com hospedagem em servidores dos Estados Unidos. Foi determinada a retirada do site (https://leilaooficialdodistritofederal.org/). Nessa modalidade, a quadrilha praticava dois tipos de crime: phishing (pescaria de dados cadastrais para fraudes) e estelionato. Neste último delito, as vítimas pagavam pelos veículos do leilão, mas não recebiam a mercadoria.

Denuncie 

Telefones: 197 ou (61) 98626-1197 (WhatsApp)
E-mail: denuncia197@pcdf.df.gov.br 
Denúncia Online: www.pcdf.df.gov.br/servicos/197 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade