Publicidade

Correio Braziliense

Deputados distritais pedem lockdown para Ceilândia; GDF vai avaliar

A cidade já ultrapassou o Plano Piloto em número de casos da doença e tem o maior registro de óbitos, 37 até o momento de acordo com o último boletim


postado em 03/06/2020 14:06 / atualizado em 03/06/2020 16:09

(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
O deputado distrital Chico Vigilante (PT/DF) esteve, nesta quarta-feira (3/6), em Ceilândia para conversar com os secretários da Casa Civil, Valdetário Andrade, e da Saúde, Francisco Araújo, sobre as ações de enfrentamento à covid-19. Os deputados Rafael Prudente (MDB) e Reginaldo Verás (PDT) apoiaram a ação. A cidade já ultrapassou o Plano Piloto em número de casos da doença e tem o maior registro de óbitos - 37 até o momento, de acordo com o último boletim.

De acordo com Chico Vigilante, que é morador da região, a população não tem levado a sério as medidas de isolamento e ainda lida com o agravante de uma menor renda e mais famílias aglomeradas em ambientes pequenos. 

“Depois da passagem do Bolsonaro por aqui, o povo desembestou e foi todo pra rua. Além disso, Ceilândia tem uma parte desenvolvida, mas tem também outra parte mais pobre, que moram muitos dentro de um mesmo barraco, sem as condições de higiene e cuidados necessários”, justificou.

Segundo ele, a proposta feita aos chefes das pastas foi de lockdown para barrar o crescimento do número de casos

“Eu conversei com o secretário Valdetário e ele não descartou essa possibilidade. Vai depender muito do comportamento das pessoas”, afirmou Chico Vigilante. Ainda assim, um grupo de trabalho formado pelo conselho de saúde da região estudará outras possibilidades para Ceilândia.

Grupo de trabalho 

Também nesta quarta-feira, ocorreu uma reunião do Conselho de Saúde, ligado à secretaria. Na ocasião, segundo os distritais, Francisco Araújo prometeu transferir o gabinete para a cidade, para acompanhar de perto as ações de combate à pandemia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade