Publicidade

Correio Braziliense

Jovens protestam após homem negro ser agredido por PMs em Planaltina

Agressão ocorreu na frente de um supermercado, na noite de segunda (1º/6)


postado em 03/06/2020 15:45 / atualizado em 03/06/2020 16:17

O protesto começou na frente do Restaurante Comunitário de Planaltina(foto: Ana Rayssa/CB/D.A. Press)
O protesto começou na frente do Restaurante Comunitário de Planaltina (foto: Ana Rayssa/CB/D.A. Press)
Moradores de Planaltina se reuniram, na tarde desta quarta-feira (3/6), para organizar uma manifestação contra o preconceito racial. O ato veio após um jovem, morador da região, ser agredido por policiais militares na noite desta segunda-feira (1°/6). 

A maioria dos manifestantes são negros. Segurando faixas, eles pedem justiça em relação ao caso. Weliton Luiz Maganha, 30 anos, foi agredido por militares com chutes, golpes de cassetes e pedradas em frente a um supermercado da cidade.  Ele também compareceu ao protesto. O episódio de violência causou comoção no DF e chama a atenção por acontecer num momento em que há protestos contra o racismo em diversos países, após o afro-americano George Floyd ser asfixiado e morto por um policial branco em Minneapolis, Minnesota, nos Estados Unidos. 

Weliton Luiz Maganha foi agredido por militares com chutes, golpes de cassetes e pedradas(foto: Ana Rayssa/CB/D.A. Press)
Weliton Luiz Maganha foi agredido por militares com chutes, golpes de cassetes e pedradas (foto: Ana Rayssa/CB/D.A. Press)
O organizador do movimento, Maurício Borges, 31, conta que o ato tem por objetivo mostrar a força da população negra na sociedade. "Esse é um movimento feito de uma juventude que está revoltada com a ação do Estado. Aqui, em Planaltina, a maioria dos jovens já foram vítimas de violência por parte da polícia. Precisamos mostrar nossa garra", defendeu. 

O grupo se concentrou às 14h, em frente ao Restaurante Comunitário da região. Em seguida, os populares seguiram para o supermercado no qual ocorreu a suposta violência (confira vídeo abaixo).  Os manifestantes pretendiam se posicionar em frente ao 14° Batalhão da PM (Planaltina). 

Por meio de nota oficial, a Polícia Militar confirmou as agressões, informando que “o final da ação foi registrada conforme o vídeo”, mas argumentou que foi chamada após várias denúncias de perturbação da tranquilidade e da ordem pública. A corporação ressaltou que “não há que se falar em atitude racista, mas de excesso na ação policial”, e que os policiais foram ouvidos, no devido processo disciplinar/criminal, pela Corregedoria da PM, para “verificar as circunstâncias do fato com o rigor que o caso requer”.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade