Publicidade

Correio Braziliense

Coronavírus: UTI do Hospital de Ceilândia será exclusiva para infectados

A estrutura da unidade de saúde tem capacidade para 10 leitos. Eles passaram por revitalização para facilitar a higienização


postado em 05/06/2020 14:30 / atualizado em 05/06/2020 14:39

A medida entra em vigor neste sábado (6/6)(foto: Breno Esaki/Agência Saúde)
A medida entra em vigor neste sábado (6/6) (foto: Breno Esaki/Agência Saúde)
A unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) será exclusiva para pacientes diagnosticados com o novo coronavírus. A medida entra em vigor neste sábado (6/6). De acordo com a Secretaria de Saúde, a unidade passou por readequação para receber os infectados pela covid-19.
 
A pasta ressaltou que a UTI do HRC passou por processo de revitalização para facilitar a desinfecção e descontaminação do lugar. Para facilitar esse trabalho, os leitos, que têm suporte respiratório, foram individualizados e separados com material feito de porcelanato, enquanto os móveis de madeira foram trocados por de granito. Além disso, as portas danificadas foram retiradas, assim como as cortinas e plásticos, para evitar a disseminação da doença. 
 
A Secretaria de Saúde ainda informou que a área administrativa, de repouso dos servidores, sala de medicação, posto de enfermagem foram readequados, para que haja melhores condições para servidores e visitantes. 
 
Com a revitalização, será possível ampliar a hemodiálise de quatro para nove leitos, enquanto o décimo é destinado ao isolamento de pacientes com quadro clínico considerado mais grave. 

Crise

Boletim mais recente da Secretaria de Saúde mostra que Ceilândia é a região administrativa com mais casos e óbitos provocados pelo coronavírus. Segundo o relatório, são 1.565 diagnosticados e 39 mortes na região administrativa. 
Atualmente, o Distrito Federal tem 13.147 infectados e 181 vítimas da covid-19. 
 
Devido ao avanço da doença na cidade, a região ganhará um hospital de campanha em até 60 dias e uma nova Unidade de Pronto Atendimento (UPA) até dezembro. Além disso, nessa quinta-feira (5/6), representantes da Secretaria de Saúde começaram a trabalhar em um gabinete de crise na cidade. A ideia é acompanhar o trabalho dos profissionais da área e cobrar agilidade no atendimento à população. 
 
O secretário de Saúde, Francisco Araújo, permanecerá no gabinete até 10 de junho, para implantar um novo fluxo de atendimento para pacientes com a covid-19. A expectativa é de que mais 70 leitos sejam inaugurados no hospital da cidade. Além disso, também nessa quinta-feira (5/6), o vice-governador, Paco Britto (Avante), esteve na região e informou que o lockdown, embora seja uma medida extrema, não está descartado. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade