Publicidade

Correio Braziliense

Ibaneis não pedirá Força Nacional em atos na Esplanada no fim de semana

A informação foi confirmada pela assessoria do governador do Distrito Federal


postado em 05/06/2020 17:02 / atualizado em 05/06/2020 19:18

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
O governador Ibaneis Rocha não vai convocar a Força Nacional para os atos previstos para este domingo (7/6). A informação foi confirmada pela assessoria do governador do Distrito Federal.

O uso da Força Nacional foi sugerido pelo presidente Jair Bolsonaro. Nesta quinta-feira (4/6), o presidente foi ao gabinete do secretário de Segurança Pública do DF, Anderson Torres, para externar a preocupação com o movimento. 

A pasta do governador Ibaneis Rocha (MDB) ficou de decidir sobre o assunto hoje após reuniões. O GDF já avalia um esquema de segurança para as manifestações deste fim de semana. 

Em nota oficial, o governo do Distrito Federal ressaltou que as forças policiais locais são suficientes para garantir a segurança e a integridade do patrimônio público. "O principal objetivo do Governo do Distrito Federal, em relação às manifestações públicas programadas para o próximo domingo, dia 7, na Esplanada dos Ministérios, é garantir a segurança das pessoas e a integridade do patrimônio público. As forças de segurança do Distrito Federal, assim como outros órgãos do GDF, estarão nos locais dos eventos com o efetivo necessário para garantir a livre manifestação e a ordem", aponta.
Segundo a pasta, agentes do GDF também vão orientar os manifestantes sobre a obrigatoriedade do uso de máscara em locais públicos, dando continuidade à política de conscientização da prevenção da Covid-19.

Por fim, o governo afirma que as forças de segurança estarão posicionadas em toda a Praça dos Três Poderes e arredores, de forma a garantir que as manifestações ocorram de maneira pacífica. O trânsito de automóveis, a exemplo do que ocorreu no domingo passado, dia 31 de maio, não será permitido no local.

Nesta manhã, na inauguração do hospital de campanha de Águas Lindas de Goiás, Bolsonaro voltou a sugerir durante o discurso que governadores façam uso da Força Nacional. Ele pediu ainda que as forças de segurança "façam o seu devido trabalho caso sejam ultrapassados os limites da lei". 

"O outro lado, que luta por democracia, que quer o governo funcionando, quer um Brasil melhor e preza por sua liberdade, que não compareçam às ruas nestes dias para que as forças de segurança, não só estaduais, bem como a nossa, federal, façam seu devido trabalho porventura estes marginais extrapolem os limites da lei."

Em Goiás, não estão previstos atos e, ainda assim, Bolsonaro disse ao governador Ronaldo Caiado ter certeza de que ele tratará os manifestantes com "a dureza da lei".  

"Estamos assistindo agora grupos de marginais, terroristas querendo se movimentar para quebrar o Brasil. Esses marginais tiveram uma ação em SP. Esses terroristas voltaram logo depois para Curitiba e estão nos ameaçando. Agora, tenho certeza Caiado, que se vier aqui você vai tratar com a dureza da lei que eles merecem."

O presidente também voltou a caracterizar manifestantes que fazem atos contra o governo como ‘marginais, terroristas, maconheiros e desocupados’. "Geralmente, são marginais, terroristas, maconheiros, desocupados que não sabe o que é economia, não sabe o que que é trabalhar para ganhar o seu pão de cada dia e querem quebrar o Brasil em nome de uma democracia nunca souberam o que é e nunca zelaram por ela. A gente faz um apelo, não está previsto na nossa inteligência movimento na região de Goiás, não sei se estou equivocado ou não, mas onde tiver, a gente pede que o pessoal não participe desse movimento."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade