Publicidade

Correio Braziliense

Secretaria de Saúde libera férias, abonos e licenças de profissionais

Decisão foi divulgada após solicitação do SindSaúde-DF para rever ofício publicado no início da pandemia


postado em 05/06/2020 19:09 / atualizado em 05/06/2020 19:09

A marcação dos benefícios fica condicionada a não desassistência do serviço público e atendimento da população(foto: Diana Raeder/Esp. CB/D.A Press )
A marcação dos benefícios fica condicionada a não desassistência do serviço público e atendimento da população (foto: Diana Raeder/Esp. CB/D.A Press )
A Secretaria de Saúde do Distrito Federal publicou, nesta sexta-feira (5/6), uma circular que flexibiliza os pedidos de férias e abonos de servidores da pasta. A decisão foi divulgada após solicitação do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília (SindSaúde-DF), em 1º de junho. 

No início da pandemia, uma circular determinou que profissionais da rede pública de saúde do DF tivessem férias, abonos e licenças cancelados, devido à necessidade da força máxima no combate ao coronavírus e outras endemias. Com a mudança, a marcação dos benefícios fica condicionada à não desassistência do serviço público e atendimento da população, respeitando-se o limite de liberação de 1/3 (um terço) dos profissionais. A avaliação de cada caso será realizada pelo gestor setorial do servidor.

O documento, assinado pelo secretário de Saúde, Francisco Araújo, reforça que outros afastamentos que constam na primeira circular, no início da pandemia, serão “analisados e deliberados pela Subsecretaria de Gestão de Pessoas (SUGEP)”. A deliberação não implica em autorização automática pela concessão, e cabe a cada gestor local conceder afastamentos levando-se em conta as condições da unidade.


Pedido

Na última segunda-feira (1º/6), a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, enviou documento ao secretário de Saúde, Francisco Araújo, solicitando a reavaliação das determinações. No ofício, a presidente afirmou que a flexibilização contribuiria para a diminuição dos eventos que acarretam afastamento por motivo de saúde e possibilitam às equipes planejar melhor o segundo semestre, diante das incertezas do período. 

“É uma decisão sensata e sensível às dores que os servidores também enfrentam. Sabemos de inúmeros episódios de esgotamento de trabalhadores que estão no enfrentamento. Essa pausa é necessária para que todos voltem ao trabalho com força total”, apontou a presidente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade