Cidades

Preso foragido de esquema criminoso que hackeou site do Detran-DF

Weberson Alves da Cruz, conhecido como 'Ebinha', se entregou à Polícia Civil acompanhado de um advogado. Ele confessou parcialmente o crime

Sarah Peres
postado em 09/06/2020 14:33
Weberson Alves da Cruz, conhecido como A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu Weberson Alves da Cruz, conhecido como ;Ebinha;, acusado de integrar um esquema criminoso que hackeou o sistema informatizado do Departamento de Trânsito (Detran-DF) para retirar as restrições de roubo e furto dos carros das vítimas dos suspeitos. O investigado era considerado foragido desde 2 de junho, quando ocorreu a segunda fase da Operação Xeque Mate, da Divisão de Repressão à Adulteração e Desmanche Ilegal de Veículos (Dirad), ligada à Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri).

Weberson se entregou na companhia de um advogado, nesta terça-feira (9/6), como explica o delegado Erick Sallum, da Dirad. ;Após a divulgação da foto dele como ;procurado;, a população nos ajudou com diversas informações sobre o paradeiro do suspeito. Com o cerco se fechando sobre os amigos e familiares, o acusado não suportou a pressão e optou por se apresentar à polícia;, afirma.

Após o cumprimento do mandado de prisão, Weberson passou por interrogatório. ;Ele confessou parte da culpa e prestou esclarecimentos que irão possibilitar o avanço da investigação e a eventual prisão de outros suspeitos envolvidos no esquema de baixas clandestinas no sistema do Detran-DF;, acrescenta o delegado.
Agora, os agentes continuam as buscas pelo último foragido do esquema, Welvis da Silva Alves, conhecido como ;Negão;, indicado como o líder da quadrilha. Ele já tinha sido preso em 2018, em uma operação da Corpatri, contra o crime de roubo de cargas. Quem tiver informações sobre o paradeiro do acusado pode denunciar anonimamente pelo 197 ou por outro canal de comunicação da PCDF (veja Denuncie).
A polícia pede denúncias pelo 197 sobre o paradeiro de Welvis da Silva Alves, conhecido como

Weberson Alves, Welvis da Silva e um terceiro suspeito, preso ainda em 2 de junho, irão responder por associação criminosa, furto, estelionato, fraude documental e violação de sistema de informática. A somatória das penas ultrapassa 20 anos de reclusão.

Atuação

O esquema criminoso foi descoberto pelos investigadores após pessoas que tiveram os carros roubados ou furtados procurarem a Dirad. Na especializada, explicavam que não tinham conseguido receber o prêmio do seguro porque os automóveis não tinham as restrições do Detran-DF. Quando os agentes averiguavam as informações, confirmavam que tinha ocorrido a baixa do veículo, irregularmente, pois a vítima não tinha o bem restituído.

Assim, os policiais apuraram como era retirada a restrição de roubo e furto dos carros. Houve a suspeita da possível contribuição de servidores do Detran e da PCDF, pois as baixas no sistema de trânsito eram realizadas com as senhas de funcionários já inativos. Contudo, a investigação descartou essa possibilidade e confirmou que, na realidade, os acusados tinham hackeado o site do Departamento de Trânsito.

Com o acesso, os criminosos davam baixa nas restrições de furto e roubo dos veículos e, depois, emitiam procurações falsas em cartórios da Bahia. Com os documentos, eles conseguiram retirar a segunda via do Documento Único de Transferência (DUT) no Detran. Ao finalziar a primeira parte do esquema, a quadrilha revendia os automóveis ;legalmente; para um segundo grupo de vítimas, que pensavam estar realizando uma negociação regular.

Após a Dirad elucidar a atuação dos suspeitos e realizar as operações, as pessoas que adquiriram os carros do grupo descobriam que tinham sido enganadas. Dois dos veículos foram recuperados e restituídos aos verdadeiros donos. Os que tinham comprado o automóvel da quadrilha ficaram com o prejuízo financeiro.

Denuncie

Telefones: 197 ou (61) 98626-1197 (WhatsApp)
E-mail: denuncia197@pcdf.df.gov.br
Denúncia Online: www.pcdf.df.gov.br/servicos/197

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação