Cidades

Vendas aumentam, mas comércio do DF tem pior Dia dos Namorados da história

Dia dos Namorados promove melhora nas vendas durante o período de pandemia. No entanto, o faturamento será menor em 2020, se comparado aos anos anteriores. Segundo o Sindivarejista, houve queda de 42% na comercialização de produtos

Thais Umbelino
postado em 13/06/2020 06:00
Para Higor Rocha, o movimento, nesta sexta, no quiosque onde é vendedor foi bomO Dia dos Namorados foi movimentado na capital, apesar da pandemia do novo coronavírus. Segundo o Sindicato do Comércio Varejista do Df (Sindivarejista), o dia de ontem registrou uma melhora nas vendas, se comparado ao resto da semana. Mesmo assim, o faturamento para a data é o menor registrado até hoje, no Distrito Federal. ;O consumidor está muito cauteloso e comprando apenas o necessário. O alto índice de desemprego fez com que atingíssemos a pior marca do setor varejista no DF;, observou o vice-presidente do sindicato, Sérgio Abritta.

Apesar do impacto financeiro, o aumento do fluxo surpreendeu vendedores e comerciantes. ;O brasiliense tem costume de deixar para comprar em cima da hora e, hoje (ontem), não foi diferente;, reparou Higor Rocha, 24 anos, funcionário de um quiosque que vende roupas e calçados masculinos, no Conjunto Nacional. Segundo o vendedor, até o início da tarde de ontem, a loja havia vendido cerca de R$ 2.500. ;O número de vendas foi bom, principalmente, porque, durante a pandemia, é comum vendermos cerca de R$ 1 mil por dia;, comentou. Para o fim de semana, porém, a expectativa não é a mesma. ;Como a data já vai ter passado, acredito que o movimento será menor;, opinou Higor.

Levantamento feito pelo Sindivarejista constatou que as vendas nos comércio de rua e de shoppings do DF, durante o Dia dos Namorados, sofreu queda de 42% comparado a 2019, quando houve crescimento de 5% no faturamento, e foram injetados R$ 150 milhões na economia do Distrito Federal. Neste ano, a estimativa de vendas é de R$ 80 a R$ 90 milhões. De acordo com o sindicato, os artigos mais vendidos, durante esta semana, foram roupas, perfumes e celulares, e o gasto médio por consumidor foi de R$ 130.

Bryan Bernardo levou um buquê com maquiagens e chocolates ao trabalho da namorada

A movimentação provocada pela data comemorativa foi visível, e quem deixou para comprar o presente em cima da hora, não se arrependeu. A reportagem observou que diversos estabelecimentos apostaram em promoções para chamar a clientela, principalmente, nos setores de alimentos (chocolates), vestuários e calçados. Webert Alves Souza, 20, comprou bombons para a esposa. O presente estava com 50% de desconto. ;Não consegui vir antes por conta do trabalho, então, tive que comprar no dia mesmo. Não esperava que o preço caísse tanto. Gostei;. Como a loja estava controlando a entrada dos clientes para evitar aglomeração, ele teve que esperar cerca de 10 minutos do lado de fora, mas não reclamou. ;É um cuidado necessário. A espera faz parte, mas com 6 anos de casado, não podemos deixar de comemorar;, avalia.

Para presentear a namorada, vendedora em uma loja de roupas, o atleta Bryan Bernardo Parreira, 17, decidiu fazer uma surpresa. Ele foi até o trabalho da amada, no Conjunto Nacional, presenteá-la com um buquê, mas, ao invés de flores, o arranjo estava repleto de maquiagens e chocolates. ;Ela estava no balcão atendendo, e cheguei de surpresa. Na hora que ela me viu, encheu os olhos de lágrimas e ficou tremendo, pois não sabia que eu iria lá levar algo;, conta. Apesar da distância, o primeiro Dia dos Namorados durante a pandemia ficou marcado para o casal. ;Ela amou, pois adora maquiagem e chocolate. É uma data importante, e não podíamos deixar passar em branco;, disse o rapaz.

Com a correria devido à decisão de morar juntos, o casal Moriah Rickli, 25, e Bruna Menezes, 25, acabou esquecendo da data. ;Nem lembramos do Dia dos Namorados por conta de tanta coisa para resolver. Hoje (ontem), viemos comprar uma geladeira e uma cama e acabamos lembrando da data. Achamos legal comprar algum objeto que represente a mudança e que, ao mesmo tempo, seja um presente para nós dois;, conta Moriah.

Com as ofertas do Dias dos Namorados, teve também quem aproveitou a data para presentear familiares, como a aposentada Marileide Machado, 70. Ontem, ela foi a um shopping na Área Central de Brasília para comprar roupas de cama para os netos. ;O presente era necessário, principalmente por conta do frio. Como sou viúva, não comemoro mais a data, mas sempre é bom retribuir amor;, diz. Apesar da pandemia, Marileide encontrou um ambiente tranquilo e seguro. ;A loja em que fui estava vazia, e todos respeitavam as medidas de segurança. Me senti confortável para retornar;, analisa.

Moriah Rickli e Bruna Menezes não deixaram a data comemorativa passar em branco: compraram cama e geladeira

Baixo consumo

Para alguns lojistas, o movimento de pessoas nos shoppings não se traduziu em faturamento. O vendedor Marcus da Silva achou que as vendas foram poucas na loja onde trabalha. As promoções não foram suficientes para atrair o consumidor. ;Observei uma grande quantidade de pessoas hoje (ontem), mas não em relação às compras. As pessoas estão mais olhando e passeando do que consumindo;, comenta. ;O consumo melhorou com o Dia dos Namorados, mas não foi o esperado;, lamenta.

Para que o consumidor se sinta confortável para voltar a comprar, o presidente da Federação Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), Francisco Maia, reforça a necessidade de que as medidas de segurança sejam respeitadas e intensificadas nos estabelecimentos comerciais. ;Alguns setores muito específicos têm dificuldade de vender durante este período. Precisamos promover mais campanhas de conscientização para a sociedade sobre os cuidados durante a pandemia a fim de que, aos poucos, as pessoas ganhem confiança em voltar a consumir. Assim, conseguiremos garantir um aumento gradual das atividades comerciais na capital;, aponta Francisco.

  • Vendas
    Veja quais produtos tiveram a preferência do brasiliense para presentear a pessoa amada

    ; Mais procurados
    Aparelhos eletrônicos (celulares)
    Roupas
    Calçados
    Perfumes

    ; Menos procurados
    Bijuteria
    Jóias
    Maquiagem

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação