Publicidade

Correio Braziliense

Comércio, serviços e turismo do DF têm quedas superiores a 10% em maio

Pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio-DF mostra impacto da crise nos três segmentos. Levantamento ouviu 542 empresários


postado em 02/07/2020 14:10 / atualizado em 02/07/2020 14:31

Shoppings e centros comerciais do DF reabriram no fim de maio(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 11/6/2020)
Shoppings e centros comerciais do DF reabriram no fim de maio (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 11/6/2020)
A crise causada pela pandemia do novo coronavírus impactou negativamente alguns setores no Distrito Federal. Em maio, as vendas no comércio caíram 11,63%, e o ramo de serviços, 15,81% em relação ao mês anterior. O turismo teve a maior queda, recuando 52% na comparação com abril. Os dados são da Pesquisa Conjuntural de Micro e Pequenas Empresas do DF, realizada pelo Instituto Fecomércio, com apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). 

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), Francisco Maia, diz que o resultado era esperado. “O comércio foi fechado em março por questões de saúde, e parte das lojas começaram a reabrir apenas no fim de maio. Por isso, a queda acentuada nas vendas”, afirma.

Maia explica que entidades tem trabalhado para amenizar os problemas. “A Fecomércio, junto a outras instituições do setor produtivo e ao Governo do Distrito Federal, está trabalhando para estabelecer protocolos e evitar a proliferação do vírus. Os comerciantes também estão atentos e cumprindo as recomendações de saúde. Acredito que, com o tempo, essas medidas vão gerar confiança nas pessoas para que voltem a consumir mais”, completa. 

Resultados por setor


A pesquisa ouviu 542 empresários no período de 1º a 19 de junho. O resultado mostra que, dos 15 segmentos do comércio analisados, 11 registraram queda. Foram eles: 

  • Vestuários e acessórios (- 37,04%)
  • Joalherias (-36,75%)
  • Calçados (-30,43%)
  • Papelarias e livrarias (-28%)
  • Óticas (-16%)
  • Cosméticos e perfumarias (-15,68%)
  • Artigos de armarinho, suvenires e bijuterias (-15,24%)
  • Móveis (-7,75%)
  • Cama, mesa e banho (-7,75%)
  • Material de construção (-1,48%)
  • Autopeças e acessórios (-0,91%)

No setor de serviços, apenas os petshops registraram alta. Os outros seis que tiveram quedas foram:

  • Manutenção de veículos (-26,67%)
  • Bar, restaurante e lanchonete (-25,48%)
  • Promoção de vendas (-24,05%)
  • Vidraçaria (-14,25%)
  • Manutenção e serviços em TI (-7,89%) 
  • Atividades de contabilidade (-3,65%)

No setor de turismo a queda foi a mais acentuada:

  • Serviço de turismo (75,63%)
  • Agências de viagens (-59%) 
  • Hotéis (-40,45%)
  • Artigos de viagem (-39,23%)

Em maio, a modalidade de pagamento que mais cresceu foi o cartão de crédito. Nos setores de comércio, serviços e turismo, 42,47% das compras foram feitas com cartão de crédito e 31,65% no dinheiro. As duas modalidades são preferência entre os consumidores do DF e acumularam alta de 74,12%.

Com informações da Fecomércio-DF


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade