Cidades

Quando escolas abrirem, pico terá passado, diz subsecretário de Vigilância

Em entrevista ao Correio, Eduardo Hage, subsecretário de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde, diz que o pico da pandemia de covid-19 está começando e que retorno das aulas ocorrerá quando situação estará melhor

Walder Galvão
postado em 04/07/2020 07:06

A retomada das atividades no Distrito Federal seguem um planejamento que levou em conta o desenvolvimento da pandemia de covid-19 no Distrito Federal, para que tudo ocorra de forma segura. É o que diz o subsecretário de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde, Eduardo Hage, em entrevista ao Correio. Hage diz que o pico da doença parece estar começando agora e que, quando as escolas reabrirem, em agosto, a situação estará melhor. Leia a entrevista a seguir.

No que foi embasada a retomada das atividades e das aulas?

Essa abertura que vai ocorrer durante julho e agosto não se dá em um único momento. Ela está seguindo um cronograma, que começou há dois meses. Cada segmento teve uma data programada para que tudo ocorresse gradativamente, para evitar que todos os setores abrissem ao mesmo tempo. Nesse planejamento, levamos em consideração os setores que poderiam impactar mais, que é exatamente o educacional, que deixamos para o fim do processo. O de bares e restaurantes também apresenta grande volume de pessoas; por isso, vamos fazer após o pico, que está começando.

Qual é o cenário atual do DF em relação à pandemia?

Desde o início, as previsões eram de que a abertura das atividades poderia ter relação direta com a diminuição do isolamento social e, consequentemente, com o aumento de casos. Porém, isso não tem se confirmado no DF. Não há relação direta entre abertura e o crescimento de casos. Há um mês, o crescimento girava em torno de 5% a 7%, chegou a quase 8%, na última semana de maio e no início de junho. Com a abertura dos segmentos, como os shoppings, esperávamos que essa taxa estaria mais alta. Porém, hoje, ela está entre 3% e 4%.

Há possibilidade de implementar o isolamento social novamente?

Após passar o pico, caso os diagnósticos se acelerem em algumas regiões, podem ser adotadas ações naquele local. O lockdown é impraticável e inviável. Esse discurso não se adéqua para o DF. É muito fácil fazer um fechamento para quem vive no centro, que pode ficar dentro de casa. Porém, em outras cidades, como a Estrutural, esse discurso é vazio. As pessoas não conseguem fazer teletrabalho e precisam ir às ruas para manter o sustento.

Como está a disponibilidade de leitos?

Temos, pela Secretaria de Saúde, aberto leitos gradativamente e acompanhado o ritmo de crescimento da pandemia. Não são apenas de UTIs, mas também aqueles chamados de retaguarda, que permitem uma rotação. Somando as redes pública e privada, temos quase 800 leitos disponíveis. Isso é suficiente para atravessar essa fase de pico.

Qual é a expectativa para os próximos dias?

Tínhamos a projeção de, no máximo, 700 pessoas que demandariam leitos de UTI. Isso ainda não se confirmou, mas é provável que o número seja menor. É um dado positivo, que dá folga para remanejar pacientes. Todos esses fatores farão com que a letalidade esteja baixa. Não sabemos quanto tempo vai durar o pico, mas ele deve estar começando. O número de casos entrará em platô e registrará quantidade semelhante diariamente, até diminuir.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação