Cidades

Ceilândia e Taguatinga estão quase no pico de contaminações por covid-19

Ainda não é o momento de relaxar o isolamento social, alerta pesquisador responsável pelo estudo que constatou a proximidade do pico nas regiões

Celimar de Meneses*
postado em 08/07/2020 21:58
 (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
O grande número de habitantes fez com que Ceilândia e Taguatinga tivessem uma quantidade significativa de pessoas infectadasDuas regiões administrativas estão muito perto do pico de casos de coronavírus, segundo boletim quinzenal divulgado pelo grupo de pesquisadores Observatório de Predição e Acompanhamento da Epidemia Covid-19 (PrEpidemia). Ceilândia e Taguatinga estão agora com a menor taxa de reprodução do vírus, conhecida como R(t), segundo os dados do observatório.

O R define para quantas pessoas um infectado transmite o vírus. Por exemplo, se o número R for 2, isso quer dizer que cada infectado transmite para outras duas pessoas o coronavírus antes de se curar. Quanto maior o R, mais a epidemia cresce.

Em Taguatinga e Ceilândia, o número R está em 1,2, segundo o acompanhamento do PrEpidemia. Quando o R chegar a 1, quer dizer que o vírus atingiu o número máximo de indivíduos infectados, portanto, atingiu o pico da epidemia. Isso não quer dizer, no entanto, que o vírus deixará de infectar, alerta o professor Paulo Angelo Resende, responsável pelos dados do PrEpidemia e pesquisador da Associação GigaCandanga.

;A tendência é ter uma redução no número de indivíduos infectados gradativa até o término do surto epidêmico. Porém, sabemos que isso é muito instável;, afirmou.

O pesquisador também ressalta que isso não quer dizer que está na hora de relaxar o isolamento social. ;O que nós temos que fazer é continuar com o mesmo nível de controle. Se relaxar o isolamento social, o vírus vai continuar se reproduzindo nesse valor, sem regredir, o que seria um platô no gráfico;, explicou Resende.

Ceilândia teve, até agora, pouco mais de 8 mil casos confirmados de infectados com coronavírus e Taguatinga, 4,3 mil. Juntas, as duas cidades têm 2,5 mil casos ativos de covid-19.
* Estagiário sob supervisão de Mariana Niederauer

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação