Cidades

Covid-19: pesquisa estima que DF registrará mais de mil mortes até o dia 21

No boletim do PrEpidemia da UnB, pesquisadores também relacionam a taxa de letalidade da doença com o Índice de Desenvolvimento Humano das diferentes Regiões Administrativas

ROBERTA PINHEIRO
Roberta Pinheiro
postado em 08/07/2020 21:40
 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Nesta quarta-feira (8/7), o DF registrou 732 mortes por covid-19Em novo boletim do Observatório de Predição e Acompanhamento da Epidemia Covid-19 (PrEpidemia) da Universidade de Brasília (UnB), os pesquisadores estimam que o Distrito Federal chegará a mais de mil mortes até 21 de julho, em razão do novo coronavírus. O documento é o quinto produzido por uma equipe multidisciplinar de especialistas de áreas como matemática, farmácia, engenharia elétrica, gestão ambiental, estatísticas, ciências biológicas e educação, dentre outras.

[SAIBAMAIS]Um dos coordenadores do PrEpidemia e pesquisador da Associação GigaCandanga, Paulo Angelo Alves Resende explica que as previsões não são profecias do futuro. "Contudo, elas têm caminhado de acordo com a realidade e os números estão sempre entre os cenários típico e pessimista", acrescenta. Por exemplo, até 6 de julho, o grupo estimava entre 280 e 988 óbitos em decorrência da covid-19. Dados do Governo do Distrito Federal (GDF) mostravam 663 vítimas da doença no mesmo dia.

Ainda com relação à taxa de letalidade, apesar de reconhecer outras e possíveis variáveis a serem estudadas e abordadas, os pesquisadores relacionaram o valor com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Regiões Administrativas que tiveram mais de 10 mortes até 22 de junho.

"Nota-se uma possível relação entre o IDH e a taxa de letalidade da covid-19, isto é, quanto menor o IDH da RA, maior a taxa de letalidade. Essa relação deverá ser objeto de estudos futuros", escrevem no documento.

Para Resende, a informação revela a objetiva diferença de infraestrutura hospitalar entre as cidades. "Isso é o que sempre existiu em Brasília. É a nossa diferença de igualdade social sendo refletida em uma pandemia, na taxa de letalidade, na face mais triste da pandemia, que já é triste por si só", comenta.

De acordo com os dados apresentados, a diferença quase dobra, por exemplo, entre Planaltina, cujo IDH é 0,764 e a taxa de letalidade é a maior, 2,1%, e o Plano Piloto, cujo IDH é 0,928 e a letalidade, 1,1%.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação