Cidades

Empresas do DF recebem o Selo Resgata, por empregarem presos e egressos

Selo Resgata, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, certifica empresas e instituição do Distrito Federal que contrataram 1.408 presos e egressos do sistema prisional

Correio Braziliense
postado em 08/07/2020 19:41
 (foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília)
(foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília)
Fundação de Amaparo ao Trabalhador Preso do Distrito Federal é uma das que recebeu certificaçãoMais de 1,4 mil presos e egressos do sistema prisional do Distrito Federal tiveram a oportunidade de se inserir no mercado de trabalho de formal. Três empresas e a Fundação de Amaparo ao Trabalhador Preso do Distrito Federal contrataram, juntas, 1.408 cidadãos nessa situação na capital federal. Pela iniciativa, essas instituições foram certificadas para o terceiro ciclo do Selo Resgata, oferecido pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).
Ao todo, quase 17 mil presos e egressos do sistema prisional de todo o país estão contemplados por empregos formais em 372 instituições certificadas de 17 estados e do Distrito Federal. As empresas reconhecidas em Brasília são a Café Delícia Amaral, a D Engenharia e Serviços e a LE Terrace Restaurante, além da Fundação de Amaparo ao Trabalhador Preso do Distrito Federal.

O Selo Resgata incentiva o trabalho prisional e reconhece empresas, órgãos públicos e empreendimentos de economia solidária que contratam mão de obra prisional. Desde o primeiro ciclo, houve aumento de 232% de instituições que receberam o selo.

;Uma das frentes de ação do Departamento Penitenciário Nacional é, justamente, o incentivo às políticas de trabalho pela pessoa presa, para que, no futuro, no término de sua pena, possa ser rapidamente absorvida pelo mercado de trabalho a partir das suas capacidades laborativas. Essa política visa o total resgate da dignidade da pessoa privada de liberdade, já que ser aceito no mercado de trabalho, durante ou após a sua pena, propicia uma melhor inserção, também, no ambiente familiar;, afirma a diretora-geral do Depen,Tânia Fogaça.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação