Cidades

Confusão com advogado baleado na Asa Sul envolveu três deputados do PSL

A defesa do advogado baleado acusa o deputado estadual Gustavo Schmidt (PSL-RJ) de ter provocado a briga

Jaqueline Fonseca
postado em 08/07/2020 21:01
 (foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
Confusão aconteceu durante festa clandestina em restaurante na Asa SulTrês deputados estaduais do PSL do Rio de Janeiro estariam envolvidos no episódio que terminou com o advogado Helvídio Neto baleado no pé por um deles. A defesa da vítima acusou o deputado estadual Gustavo Schmidt (PSL-RJ) de ter provocado a briga.

Ao Correio, Thiago Leônidas, defensor de Helvídio, afirmou ter comparecido, nesta terça-feira (8/7), à delegacia para prestar esclarecimentos. ;O causador de tudo foi o deputado Gustavo Schmidt. Ele que iniciou a confusão;, garante.

Segundo o advogado, Helvídio foi convidado a um jantar privado, com poucas pessoas, no restaurante na 408 Sul. Quando já estava lá, chegaram os três deputados estaduais do PSL do Rio: Rodrigo Amorim, Gustavo Schmidt e Alexandre Knoploch, este último autor do disparo que atingiu Helvídio. Eles teriam sido convidados por um amigo comum do advogado baleado.

Helvidio contou ao advogado que o representa que Schimidt chegou visivelmente alterado ao local, causando confusão e "mexendo" com as mulheres presentes. ;Gustavo chegou extremamente transtornado;, relata Thiago Leônidas.

A defesa da vítima baleada na confusão explicou que o estopim teria sido o momento em que a pessoa que convidou os deputados advertiu Schmidt sobre seu comportamento inadequado. O parlamentar teria respondido com um soco, o que gerou confusão generalizada no restaurante. Os deputados teriam saíram do local nesse momento.
Segundo narra a defesa, Helvídio não viu o momento do soco, mas, quando percebeu a confusão, ;tomou as dores e saiu em busca dos responsáveis". "Deu um soco no primeiro deputado que viu;, no entanto, acertou Alexandre Knoploc, que, para se defender, deu um tiro que acertou Helvídio.
Até então, o nome do deputado Gustavo Schmidt não havia sido associado ao incidente ocorrido na madrugada da última quinta-feira (2/7). No entanto, segundo a defesa de Helvidio Neto, o parlamentar carioca foi quem iniciou a confusão. A defesa da vítima alega que Neto não conhecia nenhum dos deputados antes do ocorrido e que Shcmidt não fez qualquer contato para prestar ajuda.
O deputado Gustavo Schmidt emitiu nota em que "repudia as acusações e estranha o envolvimento de seu nome, num momento em que se decidem questões políticas importantes no Estado do Rio". Afirma ainda, na hora do disparo contra o advogado, "sequer estava no local, de onde já havia se retirado".

Advogado segue internado

Helvídio Neto segue internado no Hospital de Base. Ele faria uma nova cirurgia no pé no início desta semana, mas foi cancelada. Segundo a defesa de Helvidio, as cartilagens do pé atingido pelo tiro estão muito comprometidas, o que impede o procedimento.

O delegado da 1; Delegacia Civil (Asa Sul), Mauricio Iacozzili, responsável pelo caso, preferiu não comentar a acusação pois as investigações estão em andamento.

Em nota, a assessoria de Rodrigo Amorim informou que o deputado foi testemunha, na noite de quarta-feira (1;/7), de uma "agressão física gratuita" a Alexandre Knoploch e da "posterior resposta do parlamentar, em via pública, defronte a um restaurante onde havia acontecido um encontro privado de caráter político". "O agressor foi neutralizado por um disparo que o atingiu em um dos pés. Amorim aparece como testemunha no registro da ocorrência feito na Polícia Civil do Distrito Federal", diz o texto.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação