Cidades

Equipe coordenada

postado em 12/07/2020 04:15


Em momentos de crise na área da saúde, como a pandemia da covid-19, porém, o cenário ideal se altera e outras medidas são tomadas como protocolos. ;Estamos em um momento em que muitos estão precisando da UTI; por isso, há necessidade da adaptação de protocolos. Mas o ideal é que as medidas sempre respeitem os requisitos mínimos para funcionamento das UTIs;, esclarece a infectologista Valéria.

Se, na rotina normal, a jornada de trabalho em uma unidade de terapia intensiva é pesada pelo tipo de paciente internado, o novo coronavírus exacerbou o atendimento. Máscara especial, face shield, proteção para os olhos, touca, 12 horas com a mesma roupa, dificuldade para comer e beber água, escalas extras para render os novos leitos abertos e também os profissionais que adoeceram no trabalho. ;São cargas muito maiores: física, emocional, de trabalho em si. Em uma UTI covid são todos pacientes muito graves, não dá uma diluição. Para 10 leitos, eu tenho oito ou nove muito graves. Essa carga física contribui para que as pessoas fiquem doentes. Existe ainda o risco de contaminação associado. Vemos pessoas morrendo com mais frequência. Em uma UTI normal, falece um paciente a cada semana. Na covid, dependendo do número de leitos, todo dia tem um óbito, ou um óbito a cada dois dias. Isso abate o psicológico;, afirma Rodrigo Biondi, médico intensivista e coordenador de uma UTI.

O impacto na atuação e na saúde dos profissionais de saúde é outro fator observado pelo enfermeiro Marcos Wesley Feitosa. ;A UTI não pode parar, e os servidores estão se contaminando e saindo da linha de frente. Para repor esse pessoal, é difícil, não acontece de forma imediata, pegam servidores que atuam em outros setores;, comenta o profissional. Para ele, ainda há dificuldades na questão de treinamento dos recém-chegados, ação que deveria fazer parte dos protocolos, das exigências, e não acontecer em um momento de guerra, como a realidade enfrentada nos hospitais hoje. ;Os profissionais deveriam receber treinamento com simulações realísticas. Não estar preparado pode levar à contaminação do paciente, da equipe, dele mesmo, pode aumentar o tempo de internação e pode até colaborar com um desfecho negativo;, avalia Marcos.

Recuperação

O conhecimento de um intensivista também é necessário para o manuseio de insumos e aparelhos exigidos nos leitos. ;Uma terapia intensiva não é um time que joga sozinho, são várias pessoas que fazem uma função coordenada por profissionais mais experientes. Diferentemente de período anteriores, a pandemia do novo coronavírus traz uma quantidade de pacientes em estado grave. Eles vão para os aparelhos ventiladores e evoluem com disfunções orgânicas em maior velocidade, ou seja, se você não tiver profissionais especialistas com recursos adequados, o desfecho de morte aumenta muito;, ressalta o médico intensivista Marcelo Maia.

Como chefe da UTI do Hospital Santa Luzia e da UTI do Hospital DF Star, o objetivo de Marcelo é sempre incentivar os especialistas da equipe. ;A função do coordenador é manter esses times sempre estimulados, apesar da exaustão profissional causada pela pandemia. O objetivo final é sempre a recuperação do paciente. O que nos move a atuar é ver um paciente recuperado e saindo da unidade. A gente vive esse quadro de pacientes graves há muitos anos, fomos lapidados para fazer isso, mas agora é a hora de fazermos a diferença;, ressalta o médico intensivista.


627
Total de leitos com suporte de ventilação mecânica para pacientes com a covid-19

160
Ainda estão vagos

26%
Porcentagem de vagas em aberto nos leitos disponibilizados pela Secretaria de Saúde

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação