Cidades

Snake rat e lagarto gecko: Mais animais exóticos são entregues ao Ibama

Lagarto originário do oriente médio é raro e, se solto, pode provocar desequilíbrio ambiental

Jaqueline Fonseca
postado em 13/07/2020 23:49
 (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Cetas recebeu mais cinco répteis em entregas espntâneas Cinco animais, sendo quatro cobras e um lagarto, foram entregues voluntariamente ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) em Brasília, no último sábado (11/7), segundo informou o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) ao Correio, nesta segunda-feira (13/7). As entregas teriam sido feitas por duas pessoas, em ocasiões diferentes.

No primeiro registro, uma pessoa entregou duas jiboias arco-íris. A espécie é nativa e, as serpentes serão devolvidas à natureza. Posteriormente, outro indivíduo entregou duas snake rat (cobras-rato) e um lagarto gecko. Nenhum é peçonhento, mas são exóticos.

As cobras-rato são comuns na América do NorteAs cobras-rato são comuns na América do Norte. A bióloga Bruna Rafaela explica que as elas são inofensivas aos humanos. "Com tamanho de médio a grande porte, matam as presas por constrição e se alimentam de ratos. Um exemplo de espécie dessa cobra, é a cobra-do-milho (corn snake) um animal muito dócil e visto no mundo todo como um dos mais fáceis de ter como pet, por ser um réptil calmo e fácil de manusear."

O lagarto gecko, é originário do Oriente Médio, segundo informou o Ibama. O biólogo Flávio Terassini afirma que o animal é cobiçado pelos criadores e é muito raro. Se for solto "pode causar um desequilíbrio ambiental onde ficar, pois não terá inimigos naturais e poderá comer outros insetos ou bichos", explicou.

De acordo com o Ibama, as cobras e o lagarto estão em boas condições de saúde. Sem sinais de maus-tratos.
O lagarto gecko, é originário do Oriente Médio, segundo informou o Ibama. O biólogo Flávio Terassini afirma que o animal é cobiçado pelos criadores e é muito raro

Entregas espontâneas

O Ibama está incentivando a entrega de animais exóticos e silvestres adquiridos e mantidos de maneira irregular aos órgãos ambientais. Quando feita espontaneamente, o dono não responde legalmente pelos crimes que cometeu. Denúncias ou informações podem ser repassadas ao Ibama através da ;Linha Verde;, no 0800-618080.

Na última sexta-feira (10/7), duas cobras foram entregues na sede do Ibama em Brasília. Uma das espécies é uma Víbora-verde-de-voguel, original da ásia e sem antiofídico no Brasil. Mesmo sem responsabilizar o ex-dono da cobra, a Polícia Civil disse que investiga origem do animal e a ligação dele com o grupo que pode ter traficado a naja que picou Pedro Henrique de 22 anos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação