Cidades

Entregadores por app têm entre 19 e 40 anos e ganham, em média, R$ 2,1 mil

No segundo capítulo da reportagem especial sobre as condições de trabalho dos entregadores do Distrito Federal, o Correio detalha o perfil da categoria e iniciativas para aumentar a segurança no serviço de delivery

Jéssica Eufrásio, Guilherme Goulart
postado em 20/07/2020 06:00
Dados são da pesquisa da Associação dos Motoboys Autônomos e Entregadores do Distrito Federal (Amae/DF)Motociclista, entre 19 e 40 anos e ensino médio completo. Desempregado por causa da pandemia do novo coronavírus, recorreu à profissão de entregador como única alternativa para garantir o sustento da família. A renda média não passa de R$ 2,1 mil, e boa parte não tinha experiência em delivery antes da covid-19. Além disso, poucos concordam com as taxas impostas pelas empresas do sistema de entregas por aplicativo.

Os dados da pesquisa da Associação dos Motoboys Autônomos e Entregadores do Distrito Federal (Amae/DF), realizada entre abril e junho, revela o perfil dos responsáveis pelo serviço na capital (veja No detalhe). O estudo, feito com 103 entregadores, também serve como sustentação para a entidade que os representa cobrar melhorias na estrutura empregatícia. ;Com a pandemia, aumentou o número de entregadores e de trabalho. Esperávamos mais valorização, mas não é o que acontece na prática;, reclama o presidente da Amae/DF, Alessandro Sorriso.

Essenciais para manter o isolamento exigido pela pandemia, mas sem respaldo e expostos à covid-19, a categoria chamou a atenção do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB). A médica do trabalho e sanitarista Maria da Graça Hoefel coordena o Grupo de Pesquisa Trabalhador Delivery em Tempos de Pandemia Covid-19. ;Esse trabalhador não tem contrato, não tem previsibilidade de salário nem de carga horária. Além disso, o aplicativo se apropria de 25% a 30% do valor do trabalho. Ele fica totalmente à disposição do app para sobreviver;, denuncia Maria da Graça.

O levantamento desenvolvido pela pesquisadora e por sete estudantes, a maioria do Departamento de Saúde Coletiva da UnB, investiga as relações e as condições de trabalho de entregadores em seis países com altos índices da covid-19. São eles: Brasil, China, Itália, Espanha, França e Estados Unidos. ;Na Europa, por exemplo, já sabemos que esse trabalhador é tratado de forma diferente do que aqui no Brasil. Ele é essencial para o isolamento social, está exposto e corre um risco imenso;, avalia a especialista.

Após três meses de trabalho, as informações coletadas servirão como base para formular orientações voltadas a aumentar a segurança de quem trabalha com delivery. ;As recomendações serão fundamentais para o desenvolvimento de políticas públicas para esse tipo de serviço. As empresas precisam, entre outras obrigações, assumir a responsabilidade, fornecer equipamentos de proteção e possibilitar a higienização dos entregadores e dos espaços em que eles ficam;, assinala Maria da Graça.

Aline, entregadora há 5 anos:

Lacunas

O professor Alexandre Loureiro, coordenador do MBA em Negócios Disruptivos do Centro Universitário Iesb, avalia que a situação dos entregadores piorou desde a proliferação do novo coronavírus. ;Sempre que aparece um modelo de negócio para preencher lacunas, ocorre algum tipo de estresse. Antes da covid-19, havia menos concorrência e se ganhava mais. A renda caiu depois da enxurrada de pessoas desempregadas e sem qualificação absorvida pelo delivery. As pessoas devem ser capacitadas para sempre buscar novos caminhos;, explica.

Para o especialista, as empresas de entrega por aplicativo têm, neste momento, uma oportunidade para melhorar a imagem. ;Seria possível, por exemplo, liberar no sistema de todas elas a chance de o consumidor dar uma gorjeta? Paga-se 10% para o garçom, por que não para o entregador, que, atualmente, corre até mais risco em relação ao coronavírus? Tudo isso pode ajudar a motivar e a melhorar as relações de trabalho;, sugere Alexandre. A gorjeta é uma realidade em quatro dos cinco aplicativos em atuação no DF.

De bicicleta, a entregadora Aline Henning, 26 anos, associada à ONG Rodas da Paz, vive há cinco anos a rotina do delivery na capital federal. E reclama das dificuldades impostas pelas empresas e pela profissão. ;Muitos não conseguem cumprir a pontuação exigida pelos aplicativos e acabam sendo punidos. Também não pode ficar doente, não pode receber baixa avaliação. Qualquer coisa é motivo para punição. Falta transparência. O tratamento deveria ser mais humanizado;, defende a moradora da Asa Sul.

Multas

No dia a dia, os entregadores também ficam expostos a acidentes. Algumas vezes, pela pressão imposta por entregas rápidas, mas também por inexperiência no trânsito. Além disso, muitos não fizeram o curso regulamentado pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), uma exigência da lei. ;O que vemos nas ruas é que muitos desempregados se deslocaram para esse trabalho. Muitos estão despreparados e usam motos que estão fora dos padrões;, alerta o diretor de Educação de Trânsito do Detran no DF, Marcelo Granja.

Por meio da Operação Sossego, o Detran aplicou 1.042 multas contra motociclistas no primeiro semestre. Nesse total, há infrações por barulho excessivo no escapamento e falta de habilitação específica, mas os agentes aproveitam a blitz especial para cobrar da categoria os equipamentos de segurança e verificar irregularidades na motocicleta. ;Fazemos um trabalho punitivo, mas, também, educativo. Muitos não têm capacitação para o trabalho e desconhecem detalhes simples do trabalho, como a falta de noção do que é transportar líquido, por exemplo;, explica Marcelo.

No próximo sábado, em 25 de julho, a Amae/DF organizou o 2; Breque Nacional, que prevê a paralisação do serviço de entregas ao longo do dia. A concentração será no estacionamento da Torre de TV, a partir das 9h. O primeiro ato ocorreu em 1; de julho em todo o Brasil. No Distrito Federal, o protesto reuniu 500 trabalhadores da categoria na Esplanada dos Ministérios.

  • Atenção à categoria: Em 31 de março, o Ministério Público do Trabalho (MPT) emitiu uma recomendação às secretarias de Saúde e de Transporte e Mobilidade do Distrito Federal para cobrar atenção especial à categoria. No documento, a Procuradoria Regional do Trabalho da 10; Região defendeu a necessidade de reconhecimento de vínculo empregatício entre os entregadores e as empresas digitais. Considerando que esses profissionais têm atuado ;de forma precária e vulnerável;, principalmente durante a pandemia, os procuradores elaboraram 10 pedidos para respaldar os empregados diante da possibilidade de aumento da demanda nos meses seguintes.

O que dizem as empresas

Das cinco empresas em atuação no serviço de delivery por aplicativo no Distrito Federal, três responderam à reportagem. Por-mail, o iFood confirmou o cadastro de 170 mil entregadores no Brasil, sem dar o recorte na capital. A rede não trabalha com sistema de ranking e pontuação. "O algoritmo de alocação de pedidos leva em consideração fatores como, por exemplo, a disponibilidade e a localização do entregador, o engajamento na plataforma e a distância entre restaurante e consumidor", detalha.


Em relação à suposta falta de transparência em taxas e porcentagens, o iFood detalhou que "o valor da entrega é calculado usando fatores como a distância percorrida entre o restaurante e o cliente, uma taxa pela coleta do pedido e uma taxa pela entrega ao cliente, além de variações referentes a cidade, dia da semana e veículo utilizado para a entrega." Além disso, desde maio, todas as rotas do app têm um valor mínimo de R$ 5 por pedido.


Os entregadores do iFood recebem, desde o fim de 2019, o Seguro de Acidente Pessoal, que cobre despesas médicas e odontológicas, ;bem como indenização em caso de invalidez temporária ou permanente ou óbito decorrente do acidente;. Quanto à covid-19, desde março, ;foram implementadas medidas protetivas, que incluem fundos de auxílio financeiro para quem apresentar sintomas; e para aqueles do grupo de risco. Até o momento, a empresa investiu mais de R$ 25 milhões nessas iniciativas.


A Rappi conta com 200 mil entregadores cadastrados no aplicativo na América Latina. A empresa de origem colombiana informou, também por e-mail, que a cobrança de frete ;varia de acordo com clima, dia da semana, horário, zona da entrega, distância percorrida e complexidade do pedido;. Dados da companhia mostram, ainda, que cerca de 75% dos trabalhadores ganham mais de R$ 18 por hora. A Rappi também permite que os clientes deem gorjeta aos entregadores por meio do aplicativo.


Além disso, a empresa trabalha com um programa de escores ;criado para tanto reconhecer quanto priorizar entregadores parceiros com um melhor nível de serviço na plataforma, ao mesmo tempo em que permite equilibrar a distribuição dos pedidos versus número de entregadores parceiros logados, fazendo com que o entregador passe a ter ainda mais clareza e transparência.;


A Rappi oferece, desde o ano passado, seguro para acidente pessoal, invalidez permanente e morte acidental. ;O seguro vale para todos os entregadores parceiros e qualquer tipo de veículo, incluindo motos e bicicletas;, detalhou. Em relação à pandemia, a companhia elaborou diversos protocolos, como incentivo do pagamento via app, distribuição de álcool em gel e máscaras e criação de um fundo para apoiar financeiramente os colaboradores com sintomas ou confirmação da covid-19.


Em nota, o Uber Eats informou que ;todos os ganhos (com a empresa) estão disponibilizados de forma transparente para os entregadores parceiros, no próprio aplicativo, ficando clara cada taxa e valor correspondente. Não houve nenhuma diminuição nos valores pagos por entrega, que seguem sendo determinados por uma série de fatores, como a hora do pedido e a distância a ser percorrida.; A empresa adotou medidas preventivas contra o novo coronavírus, como opção de entrega sem contato, por meio do recurso ;Deixar na porta;, além de ferramenta para identificar o uso de máscaras pelos entregadores, a partir de um checklist on-line, que inclui uma selfie para verificar a utilização da proteção facial.


A Loggi e a James Delivery não responderam e-mails e mensagens enviados pela reportagem, até o fechamento desta edição.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação