Cidades

Ação popular pede que rapaz picado por naja arque com despesas do Zoológico

O estudante, o padrasto e a mãe foram multados em R$ 78 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por crimes ambientais. Caso a Justiça dê parecer favorável, Pedro Henrique poderá pagar mais de R$ 85 mil

Darcianne Diogo
postado em 21/07/2020 20:41
estudante picado por naja no DFUma ação popular encaminhada ao Juízo da Vara do Meio Ambiente e Desenvolvimento do Distrito Federal nesta terça-feira (21/7) pede que o jovem picado pela naja kaouthia arque com os alimentos e as demais despesas a Fundação Jardim Zoológico de Brasília (FJZB) ; o órgão abriga a naja e outras 16 serpentes apreendidas no Núcleo Rural de Planaltina, entre elas a víbora verde-de-vogel. O estudante, o padrasto e a mãe foram multados em R$ 78 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por crimes ambientais. Caso a Justiça dê parecer favorável à ação, o estudante de medicina veterinária poderá pagar mais de R$ 85 mil.

O autor da ação, o advogado José da Silva Moura, usa como justificativa o fato de que o Zoológico guarda as serpentes e, por causa disso, diminuiu a qualidade de vida do restante dos animais. A Polícia Civil investiga o suposto envolvimento de Pedro Henrique em um esquema de tráfico internacional de animais exóticos e silvestres. ;O objetivo final é tentar utilizar um meio para que quem maltrate ou trafique esses animais pare com isso. Quando o Zoológico faz um trabalho louvável desses, acaba tendo um gasto a mais;, argumentou.

Dessa forma, José da Silva pede que o jovem restitua os valores que o Zoo gastou com a criação dos novos serpentários para abrigar as cobras e que custeie os alimentos dos animais. ;As serpentes estão em situação de extrema vulnerabilidade, visto que estão fora de seu habitat natural e não têm capacidade processual para se defender;, afirmou.

Com base na ação, requere-se que o jovem pague R$ 5 mil a cada serpente apreendida, totalizando mais cerca de R$ 85 mil.

Comprovação

O advogado solicita, ainda, a juntada de informações do Ibama, Polícia Civil e do Zoológico para a comprovação das condições de maus-tratos; o quantitativo de animais que pertenciam a Pedro; a cópia integral do inquérito; e uma planilha de gastos contendo as despesas que o Zoo teve, até o momento, com as serpentes, sejam elas com medicamentos, criação de habitat, alimentação, entre outros.
Por meio de nota oficial, o Zoológico informou que não foi formalmente notificado a respeito da referida ação popular. "Ressaltamos que, caso o pedido seja acatado pelo juízo responsável, a Fundação prestará todo o apoio necessário à Justiça."
O Zoo esclareceu, ainda, que as cobras contam, diariamente, com todo o suporte da equipe especializada em manejo e manutenção de serpentes do Zoológico de Brasília e "que ficarão sob nossos cuidados até que se defina a destinação final desses animais".

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação