Cidades

Crônica da Cidade

Conversa com Clarice 2

postado em 22/07/2020 04:20
Na passagem dos 100 anos de Clarice Lispector, esta coluna conseguiu nova entrevista mediúnica com a autora de A paixão segundo G.H. Fala, Clarice!


Clarice, como você se definiria?
Sou uma tímida audaz. Tudo que consegui na vida foi à custa de ousadias, embora pequenas.
Clarice, escrever é destino?
Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada. Escolhi escrever talvez porque para as outras vocações eu precisasse de um longo aprendizado, enquanto que para escrever o aprendizado é a própria vida se vivendo em nós e ao redor de nós.

Qual o lugar do amor em sua vida?
Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e, às vezes, receber amor em troca. Amar não acaba.

Você sofreu muito?
Oh! Deus, eu já fui muito ferida. Mas a quanta gente tenho de agradecer. Tenho recebido olhares que valem por uma reza.

O que mais a inquieta?
Ah, como me inquieta não conseguir viver o melhor, e assim poder, enfim, morrer o melhor.

Você passou a imagem de ser
uma mulher enigmática...
Eu só sei ser íntima em todas as circunstâncias da minha vida. Por isso, sou tão calada.

Como foi o seu encontro
com a esfinge no Egito?
Olhei, não a decifrei, mas, também, ela não me decifrou.
Ao mesmo tempo, você dedicou
importância a atos considerados frívolos, tais como o de perfumar-se...
Eu me perfumo para intensificar o que sou. Por isso, não posso usar perfumes que me contrariem. Perfumar-se é uma sabedoria instintiva.

Você nasceu na Ucrânia, mas veio
para o Brasil quando tinha poucos
meses de vida. Afinal, você se
considera ucraniana ou brasileira?
Evidentemente, sou uma brasileira. E não admito que se pense o contrário. Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor.

Por que sabemos tão pouco de Deus?
Se só sabemos muito pouco de Deus, é porque precisamos pouco: só temos Dele o que fatalmente nos basta. Venha, Deus, venha. Mesmo que eu não mereça, venha.

Você passou, rapidamente, por
Brasília. O que foi Brasília em sua vida?
Brasília é o inferno paradisíaco. A luz de Brasília fere meu pudor feminino.

Você se tornou famosa e até cultivada nas redes sociais. É bom ser tão famosa?
Tantos querem a projeção. Sem saber como esta limita a vida. O anonimato é suave como um sonho. Eu estou precisando desse sonho.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação