Publicidade

Correio Braziliense

"Nosso segundo nascimento", diz bombeiro que estava em helicóptero que caiu

A dinâmica do acidente, que ocorreu na última quinta-feira, será esclarecida após a perícia


postado em 01/08/2020 07:00

Tenente-coronel Moisés Alves Barcelos é piloto experiente, com 13 anos de aviação(foto: Arquivo Pessoal)
Tenente-coronel Moisés Alves Barcelos é piloto experiente, com 13 anos de aviação (foto: Arquivo Pessoal)
“Nós, cinco, conversamos, todos bem, felizes e contentes, dizendo que dia 30 de julho era a data do nosso segundo nascimento”. Esse é o relato do tenente-coronel Moisés Alves Barcelos, piloto do helicóptero do Corpo de Bombeiros que caiu em Vicente Pires na manhã de quinta-feira. A aeronave que levava três militares e dois profissionais da saúde do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) colidiu contra o prédio desativado de uma faculdade privada, o que ocasionou a queda e momentos de tensão. “Foi tudo muito rápido, um acidente de menos de 10 segundos. Saí do helicóptero, retirei todo mundo da cena para levar a um local seguro ali perto, e nossa equipe, que estava no solo, já começou o trabalho de montar a mangueira para jogar água com espuma, que esfria a gasolina e evita explosões”, relembra.

A dinâmica do acidente será esclarecida após a perícia, mas a experiência de Barcelos é reconhecida por toda a corporação. São 25 anos de atuação no Corpo de Bombeiros, sendo 13 na aviação, com mais de mil horas de voo e 15 mil pousos e decolagens. “Ingressei na aviação em 2007, ano em que tivemos um acidente aéreo com helicóptero da corporação e três pessoas morreram. Um dos que faleceu era meu chefe na época”, lamenta o tenente-coronel. Como nunca tinha passado por situação semelhante durante o trabalho, Barcelos diz que ficou pensando no que poderia ter feito de diferente para evitar a queda do helicóptero, mesmo tendo a consciência de que o pior não aconteceu.

“Veio o baque”


“Saber que tivemos um acidente aéreo, com cinco pessoas na tripulação, e todos sobreviveram, é motivo de comemoração. Na nossa profissão, saímos para trabalhar e não sabemos se voltamos. Acidentes de pessoas de farda têm óbito quase certo. Então, só resta agradecer a Deus pelo milagre”, desabafa. Ver a família, depois do ocorrido, ajudou a passar pelo trauma. Coincidentemente, a esposa de Barcelos estava sem celular durante aquela manhã, e os pais ainda não tinham recebido a notícia da queda. “Fui para casa logo depois do acidente, vi minha esposa e contei para ela o que aconteceu. Ela não acreditou. Como assim o helicóptero tinha caído, e eu estava ali? Mas ela pegou o telefone, viu as imagens e se desesperou, veio o baque. Com meus pais, eu também tive a chance de contar o que houve, ainda bem”, avalia.

Barcelos diz não lembrar de quantas vidas salvou em todos os anos de corporação, mas se preocupa, sempre, em levar socorro a quem precisa. Uma amiga comentou que, depois de tanto o militar resgatar outras pessoas, foi a vez de Deus fazer o mesmo com ele. “Agora, são dias de agradecimento. Fiz os exames de praxe, falei com todos que estavam na aeronave e conversei com toda a tropa do serviço aéreo para mostrar que estamos bem. Nessas horas, lembro o lema da corporação: ‘Vidas alheias e riquezas salvar!’”, define.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade