Cidades

Transplantes de medula óssea são interrompidos no DF por falta de insumos

Devido a falta de medicamento necessário para realizar o transplante, o Instituto de Cardiologia do DF suspendeu as operações

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 03/08/2020 14:20
A unidade é a única que realiza o procedimento no DFO Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF) interrompeu os transplantes de medula óssea devido à falta de medicamento necessário para realizar a operação. A unidade é a única no Centro-Oeste que atende pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e, desde abril, aqueles que precisam do procedimento estão aguardando a retomada.

O instituto informou que manteve apenas as operações de transplantes autólogos. Os alogênicos (células doadas por familiares) e os não parentados foram interrompidos.

Segundo o ICDF, as interrupções temporárias do programa foram motivadas pelo desabastecimento de alguns insumos, como anestésicos. Porém, por meio de nota, o instituto informou que "ainda assim, os pacientes permanecem acompanhados e monitorados pelas equipes aguardando o transplante." Ainda de acordo com a nota, as atividades devem ser retomadas em cerca de 20 dias.

A Secretaria da Saúde disse que o instituto informou, em janeiro, à SES que estava com dificuldades em adquirir alguns insumos e custear alguns procedimentos necessários ao transplante de medula óssea (TMO) alogênico.

[SAIBAMAIS]Com o início da pandemia, a unidade precisou organizar uma área de suporte a pacientes com covid-19 que ficasse isolada das demais áreas de internação. Para isso, foi utilizado o setor onde funciona o TMO alogênico.

Por esses motivos, os pacientes com os transplantes já agendados foram atendidos apenas até abril. Ainda segundo a pasta, aqueles que necessitam de consultas e transplante para o TMO alogênico "estão sendo encaminhados para Tratamento Fora de Domicílio (TFD) em outros estados, já que o Instituto é o único habilitado pelo SUS para executar o serviço no DF."

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação