Publicidade

Correio Braziliense

A dieta dos vícios saudáveis

Especialistas mostram como é possível reeducar o estômago sem deixar de comer o que é bom. Durante o processo aprende-se que consumir chocolate e vinho é bom para a saúde, mas sem exagero; sorvete e fritura, nem pensar


postado em 08/06/2010 07:00

Para muitos, conseguir fazer as pazes com a balança parece uma missão impossível. O caminho para chegar lá, no entanto, é conhecido. Frutas, verduras e legumes ajudam a ter uma vida cheia de saúde e muito açúcar e gordura saturada é pecado puro. Porém ter uma alimentação saudável em meio a tantas tentações do dia a dia é difícil e pode causar muita ansiedade. A reeducação alimentar, muitas vezes temida por aqueles que estão acima do peso, é um processo diário e sem fim. Mas mudar seus hábitos e encontrar na dieta quilos de felicidade, segundo os especialistas, é completamente possível.

Adriana afirma que sempre gostou de fazer atividades físicas e que isso ajudou no processo de emagrecimento: tudo vale a pena para ser feliz(foto: Elio Rizzo/Esp. CB/D.A Press)
Adriana afirma que sempre gostou de fazer atividades físicas e que isso ajudou no processo de emagrecimento: tudo vale a pena para ser feliz (foto: Elio Rizzo/Esp. CB/D.A Press)
No livro Coma e seja feliz (Ed. Thomas Nelson Brasil), a nutricionista americana Elizabeth Somer afirma que é tudo uma questão de estilo de vida. “Se seu objetivo é ser o mais feliz, saudável e magro possível, não há soluções rápidas para cumprir esse objetivo. Não há um único alimento ou um único hábito que seja a cura para todas as doenças. Ao contrário, trata-se de um processo contínuo de melhorar a si mesmo. Um processo que dura toda uma vida”, aconselha a especialista.

Para a nutricionista americana, alguns hábitos considerados inimigos da saúde podem ser boas companhias, como o chocolate, o chá e o vinho. Os três trazem benefícios para o organismo, mas nesse caso, a moderação é regra. “Permitir-se pequenas quantidades de vícios saudáveis pode fazer com que você se mantenha no rumo certo da dieta, melhorando o humor ao mesmo tempo em que perde peso”, sugere Elizabeth no livro.

Novos hábitos
Radicalismo é palavra proibida para quem quer fazer uma reeducação alimentar. A dieta precisa ser reformulada aos poucos. “Quando um pessoa resolve fazer mudar a alimentação, comete diversos erros, quer tirar muitos alimentos de uma vez só e isso atrapalha. É preciso trabalhar com prioridades e inserir informações sobre quais são os benefícios daqueles alimentos do cardápio. Conforme o plano vai evoluindo, os novos hábitos vão sendo inseridos. É preciso ter contato várias vezes com aquele alimento para que ele se torne hábito. Quando a pessoa tem conhecimento do que está comendo, ela faz a escolha certa”, explica Joana Lucyk, nutricionista da Clínica Saúde Ativa.

Para Adriana Eloi Veras, 38 anos, a vontade de mudar veio acompanhada da paixão pelos exercícios. “Sempre gostei muito de malhar, mas sabia que me alimentava de maneira errada demais. Para me manter em forma ficava horas sem comer. Fazia duas refeições por dia. Nunca fui de comer fritura, mas queria me alimentar da forma correta. Além disso, sofria muito com prisão de ventre”, conta a advogada. A solução foi procurar uma nutricionista. E há quase nove anos ela mantém uma dieta saudável.

A grande lição para Adriana foi comer a cada três horas. Toda vez que sai de casa, ela carrega um “lanchinho” e nunca mais deixou de almoçar ou jantar. “Não comia porque não queria engordar e descobri que estava queimando músculo e não gordura. Organizei a minha alimentação com a minha rotina e não tinha nada que eu não gostava no cardápio. Então não foi tão difícil. E eu sei que posso comer uma barra de chocolate depois do exercício sem prejudicar minha dieta. O que funciona de verdade é aliar exercício a uma alimentação saudável (1),sem neuras”, admite a advogada que introduziu os hábitos saudáveis em toda a família.

O primeiro passo pode estar na simples observação da dieta. Os especialistas aconselham a manter um diário alimentar por uma semana, para cada pessoa saber o que ela está ingerindo diariamente. Uma das conclusões surpreende: nem sempre os alimentos favoritos fazem parte do cardápio. “A gente tem que passar a comer o que gosta. Eu posso adorar morango, mas não como com uma certa frequência. Se eu gosto de geleia, compro a sem açúcar e incluo no meu café da manhã. Precisamos de preferências saudáveis. Aliar novos hábitos alimentares e deixar a dieta prazerosa. Os pacientes querem perder peso muito rápido e nem sempre prestam atenção nos detalhes”, comenta Joana.

1 - Para ter saúde
A alimentação saudável fornece todos os nutrientes que são insubstituíveis e indispensáveis ao bom funcionamento do organismo. Para colocar esse conceito na prática é preciso ter um cardápio variado, com refeições coloridas e saborosas que incluem alimentos tanto de origem vegetal como animal. Uma das regras básicas é comer ao menos três porções de legumes e verduras como parte das refeições ou três porções de frutas nas sobremesas e lanches diariamente.

» Por uma reeducação alimentar

Confira as dicas da nutricionista americana Elizabeth Somer, autora do livroComa e seja feliz (Ed. Thomas Nelson Brasil), para mudar de hábitos:

- Anote o que, quanto e quando você come durante três a sete dias. Então, revise suas anotações e busque por padrões e surpresas;

- O próximo passo é criar uma plano para resolver os problemas. Tente cortar os chocolates e incluir mais vegetais na sua dieta;

- Jogue for a todas as tentações que estiver em casa;

- Use o tempo que você gasta assistindo à televisão para se exercitar, em vez de comer;

- Encontre um substituto para a comida, como uma xícara de chá e dois biscoitos light;

- Quando resolver comer um doce ou outras tentações em porções de 30g;

- Qualquer que seja seu plano, ele só vai funcionar se você decidir segui-lo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade