Publicidade

Correio Braziliense

Doença ameaça morcego nos EUA


postado em 10/08/2010 08:16

Na edição de ontem da revista científica Science, os morcegos também foram destaque de outro artigo, liderado por uma equipe da Faculdade de Artes e Ciências da Universidade de Boston. Os pesquisadores afirmam que um dos gêneros mais comuns de morcegos dos Estados Unidos, o myotis, estará extinto nos próximos 20 anos no nordeste do país. Isso vai ocorrer devido a uma doença que vem atacando os animais enquanto eles hibernam, chamada síndrome do nariz branco (WNS, sigla em inglês).

A equipe responsável pelo estudo, liderada pelo pesquisador Winifred F. Frick, verificou um rápido declínio na população dos pequenos morcegos marrons por causa da WSN, descoberta há quatro anos no estado de Nova York. Agora, ela está afetando pelo menos sete diferentes espécies de morcegos. “Essa é a pior crise na vida selvagem que já enfrentamos na América do Norte. A taxa de mortalidade e a rapidez com que essa doença se espalha torna a WSN um desafio muito grande. Pesquisadores têm trabalhado duro para entendê-la melhor, desde que foi descoberta, na busca de potenciais soluções para o problema”, escreveu Frick.

O myotis pode ser extinto em 20 anos:
O myotis pode ser extinto em 20 anos: "pior crise na vida selvagem" (foto: Alan C.Hicks/Divulgação)
De acordo com ele, foram analisados dados dos últimos 30 anos para se concluir que as populações regionais do myotis eram saudáveis antes da descoberta da doença, em 2006. Então, eles compararam as estatísticas com o registro de mortalidade dos morcegos no último inverno e constataram que a WNS está devastando esses animais. Em duas décadas, a população do myotis deverá diminuir para menos de 1%. O problema é que a perda de tantos morcegos pode resultar em mudanças drásticas no ecossistema não só dos Estados Unidos — já que a doença deverá se espalhar, começando pelo oeste e pelo sul do país —, mas do Canadá.

“Os pequenos morcegos myotis são conhecidos por consumir até 100% de seu peso corporal em insetos, a cada noite. Isso proporciona um importante serviço à humanidade. Sem essa predação, é possível que os produtores de alimentos tenham de aumentar a quantidade de pesticidas usados na agricultura”, lembra Frick, no artigo. “Nossa pesquisa demonstra o impacto preocupante dessa doença nas populações de morcegos. Mas precisamos de mais estudos para saber como e por que a WNS está matando tantos morcegos e, o mais importante, o que podemos fazer para detê-la.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade