Publicidade

Correio Braziliense

Pigmento alfa-caroteno reduz chances de doenças do coração, AVC e câncer

Depois de acompanhar mais de 15 mil pacientes por 18 anos, pesquisadores concluem que a ingestão do pigmento alfa-caroteno reduz as chances de a pessoa desenvolver doenças do coração, AVC e câncer. O alimento com maior concentração da substância é a cenoura


postado em 22/12/2010 08:00

Que tal adicionar mais cor laranja ao cardápio? Vale abóbora, moranga, mas o principal item deve ser a cenoura. A iniciativa pode prevenir diversas doenças crônicas, como problemas cardíacos e o câncer. É o que comprova uma pesquisa feita pela Associação Médica Americana, nos Estados Unidos, publicada no mês passado. O estudo aponta a capacidade da substância alfa-caroteno — um poderoso antioxidante presente nesses alimentos — de evitar complicações que podem levar à morte.

Os pesquisadores relacionaram a quantidade de alfa-caroteno no sangue com o risco de morte em 15.318 pessoas acompanhadas por 18 anos, de 1988 a 2006. A conclusão é que uma alta concentração da substância pode diminuir em até 39% as chances de morte prematura causada por doenças coronárias, acidente vascular cerebral (AVC) ou câncer.

A receita para aumentar o nível de alfa-caroteno no sangue é simples: ingerir frutas e verduras, principalmente as de cor laranja. A variedade e quantidade consumidas também são importantes. Para um adulto, são necessárias, em média, entre três e quatro porções de fruta e duas a três porções de vegetais. Nesse caso, a preparação do alimento é outro fator que faz diferença. Cozidos, os vegetais apresentam maior quantidade do antioxidante. “Com o aumento da temperatura, há uma mudança na molécula do alfa-caroteno, que faz o organismo absorvê-lo em maior quantidade”, explica a nutricionista Fernanda Damas.

Alfa versus beta
Apesar dos benefícios constatados, o alfa-caroteno ainda não ficou tão conhecido como outro pigmento do mesmo grupo, o beta-caroteno, responsável pela coloração amarela de muitos alimentos. Com propriedades parecidas, o beta foi mais estudado ao longos dos anos porque é mais comum que o antioxidante similar. Assim, as vantagens do beta na prevenção de doenças são conhecidas há mais tempo.

No entanto, pesquisas sobre os suplementos de beta-caroteno mostram que os benefícios do uso dessa substância sozinha não são os mesmos de quando ela é associada a outros carotenoides. “Por isso é mais vantajoso ingerir os alimentos que contêm diversos antioxidantes associados, potencializando os efeitos positivos”, diz a nutricionista Fernanda.

Pesquisas anteriores que focaram o alfa-caroteno não haviam sido conclusivas. Um estudo japonês de 2005 traçou a relação entre as concentrações da substância e a menor incidência de câncer numa comunidade rural do país. Dois estudos norte-americanos de 2006, porém, não chegaram à mesma conclusão e questionaram a eficiência da substância. As diferenças no resultado, segundo o líder da pesquisa publicada mês passado, Chaoyang Li, da Associação Médica Americana, se devem à metodologia empregada, que inclui o número de pesquisados e a duração do estudo, entre outras variáveis.

Segundo o pesquisador, seu estudo é abrangente o bastante — teve 18 anos de duração e amostragem de mais de 15 mil pessoas — para ter credibilidade. De acordo com esses resultados, o alfa-caroteno é tão importante quanto outros carotenoides. “Estudos laboratoriais sugerem que o alfa-caroteno é 10 vezes mais efetivo na prevenção de certas formas de câncer no cérebro, fígado e pele que o beta”, revela Li, em entrevista por email para o Correio.

Dieta
O que o público em geral pode fazer com tal informação? Para o professor Li, inserir alimentos ricos no pigmento em sua dieta. “Como os suplementos alimentares que contêm antioxidantes não apresentam quase nenhuma quantidade de alfa-caroteno, presumimos que a fonte da substância continua a ser a ingestão de frutas e verduras”, diz. Estudos mostraram que mais de 75% da quantidade de alfa-caroteno ingerida é obtida da cenoura. Somam-se à hortaliça outros vegetais e frutas, como moranga, pimenta e laranja. Boa quantidade da substância também é achada em alimentos verde-escuros, como brócolis, ervilhas e rúcula (veja abaixo).

Sobre a dúvida de como ter certeza de que essa pesquisa é mais confiável que aquelas que diziam ser o beta-caroteno a melhor maneira de prevenir doenças graves, o pesquisador reconhece que as pesquisas não são definitivas. “Os resultados não especificam a relação entre alfa-caroteno e outros antioxidantes e se o consumo dessa substância separada das outras não teria o mesmo resultado incipiente do consumo de beta-caroteno”, afirma. Mas ele ressalta que foi definitivamente comprovada a redução de risco de doenças graves com o consumo de alimentos ricos em alfa-caroteno. Assim, a maneira certa de aproveitar a descoberta é inserir cenoura no cardápio. E moranga, e laranja, e brócolis, e espinafre.

COR
O alfa-caroteno é um pigmento natural presente em frutas e verduras, em especial as de cor laranja, do grupo dos carotenoides. Formado por hidrogênio e carbono, tem propriedades antioxidantes, ou seja, bloqueia os efeitos negativos dos radicais livres nas células do corpo.

PELE
Por conta das propriedades antioxidantes, que combatem os radicais livres, o consumo de substâncias carotenoides tem importância especial para a saúde da pele. A ingestão de alimentos ricos em alfa e beta-caroteno evita o aparecimento de manchas e rugas. Tais propriedades fazem ainda mais diferença durante o verão. Isso porque elas combatem os efeitos negativos da radiação solar. “O caroteno também auxilia na pigmentação da pele, melhorando o bronzeado”, conta a nutricionista Fernanda Damas.

Ranking
Concentração de alfa-caroteno nos alimentos (ug/100g)
» Cenoura cozida, enlatada ou congelada - 3.700
» Cenoura crua - 3.600
» Moranga - 3.800
» Pimenta-vermelha - 60
» Laranja - 20
» Ervilha - 16
Fonte: Mangels et al (Associação Médica Americana, 1993)



  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade