Publicidade

Estado de Minas

Suplementos de ômega 3 e 6 podem comprometer eficácia da quimioterapia


postado em 12/09/2011 19:02

WASHINGTON - Os ácidos graxos ômega 3 e 6 podem bloquear a capacidade da quimioterapia de atacar tumores, razão pela qual os pacientes devem se abster de ingeri-los, segundo estudo de cientistas holandeses, divulgado esta segunda-feira.

Os suplementos de óleo de peixe, ricos nestes ácidos graxos, são amplamente vendidos em todo o mundo e promovidos como uma forma de melhorar a saúde cardíaca e cerebral. No entanto, cientistas do Centro Médico de Utrecht (UMC Utrecht), da Universidade da Holanda, reportaram na revista Cancer Cell que ácidos graxos similares bloquearam o efeito de um determinado tipo de quimioterapia em testes com animais.

"Enquanto se esperam os resultados de novas pesquisas, atualmente recomendamos que estes produtos não sejam utilizados por pessoas em tratamento com quimioterapia", disse Emile Voest, oncologista do UMC Utrecht.

Voest supervisionou a pequisa, que demonstrou que um tipo de quimioterapia, chamada cisplatina, usada com frequência para tratar cânceres de pulmão, bexiga, ovário e testículo, se torna impotente com a presença de dois tipos de ácidos graxos produzidos pelas células-tronco no sangue. Estes ácidos graxos, conhecidos como PIFAs, são produzidos pelo corpo e também estão presentes nos suplementos de óleo de peixe.

Em testes realizados em ratos com tumores na pele, os cientistas descobriram que os animais que receberam injeções de ácidos graxos, descritos como "uma quantidade normal de óleo de peixe", se tornaram insensíveis à quimioterapia.

"No que diz respeito à resistência da quimioterapia, normalmente acreditamos que ocorreram mudanças nas células cancerosas. Agora se demonstra que o próprio corpo secreta substâncias protetoras no sangue que são suficientemente potentes para bloquear o efeito da quimioterapia", resumiu Voest. "Estas substâncias podem ser encontradas em alguns tipos de óleo de peixe", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade