Publicidade

Estado de Minas

Estudos apontam que a domesticação de gatos começou há cerca de 10 mil anos


postado em 25/12/2011 08:10 / atualizado em 24/12/2011 14:12


Eles não levam a bolinha até o dono, não abanam o rabo como sinal de felicidade nem colocam a barriga para cima pedindo carinho. Nem por isso merecem ficar de fora da categoria “melhor amigo do homem”. Gatos podem até parecer pouco afetuosos, mas, se fosse assim, não existiriam cerca de 600 milhões deles vivendo com humanos, em todas as partes do mundo. Essa amizade é mais antiga que se pensava. Por muito tempo, acreditou-se que a aproximação dos felinos com as pessoas começou há 3,5 mil anos, no Egito. Mas novos estudos genéticos sugerem que, na verdade, foi há quase 10 mil anos, na região do Crescente Fértil (no Oriente Médio e norte da África), que teve início essa história de amor.

Segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia (UC), câmpus Davis, a região geográfica considerada o “berço da civilização moderna” também é o berço dos gatinhos. Foi lá que os felinos começaram a ser domesticados. De acordo com a veterinária Monika Lipinski, que conduziu um estudo sobre a ancestralidade dos gatos na UC envolvendo o DNA de 11 mil gatos, todos eles têm origem no mesmo lugar. Assim como ocorreu com os cachorros, a relação inicial foi de troca. Os homens, fixados no campo, precisavam de um aliado que desse cabo das ratazanas que insistiam em devorar os estoques de alimentos cultivados. Por sua vez, os gatos, predadores naturais de roedores, provavelmente viram nos novos assentamentos agrícolas a chance de ganhar banquetes diários.

Túmulo de homem enterrado com um gato há 9,5 mil anos na Ilha de Chipre: convívio humano com o animal começou muito antes dos egípcios(foto: American Association for the Advancement of Science/AP)
Túmulo de homem enterrado com um gato há 9,5 mil anos na Ilha de Chipre: convívio humano com o animal começou muito antes dos egípcios (foto: American Association for the Advancement of Science/AP)

“Propensos a caçar camundongos, ratos e outros roedores, os gatos tornaram-se companheiros convenientes para os homens. Eventualmente, tornaram-se animais de estimação, mas acho que nunca foram completamente domesticados”, diz Lipinski. Apaixonada pelos bichanos — ela faz parte de diversas associações dedicadas a animais e é dona de um bengali e de um persa —, a veterinária sustenta que, ao contrário dos cachorros, os felinos mantiveram sua independência. “Eles são autossuficientes e, mesmo em relação à alimentação, não ficam esperando o dono encher os pratinhos. Se necessário, vão atrás da própria comida”, diz.

Leslie Lyon, orientadora do pós-doutorado de Lipinski em 2008, conta que as amostras de DNA coletadas sugerem que, ao serem domesticados no Crescente fértil e se espalharem pelo mundo com os humanos, os gatos se concentravam em apenas quatro grupos genéticos, algo que não mudou em 10 séculos. As linhagens e suas origens são F. silvestris silvestris na Europa, F. s. bieti na China, F. s. ornata na Ásia e F. s. cafra na África. “Eles podem ser bastante diferentes, mas as manipulações das raças têm mais a ver com estética do que com função. Os gatos domésticos continuam, geneticamente, semelhantes aos quatro grupos ancestrais. Raças que, por exemplo, se originaram nos Estados Unidos, como o maine coon e o shortrair, têm um DNA bem parecido ao de raças europeias”, diz Lyon.

A veterinária conta que, entre as curiosidades descobertas pela pesquisa, está a de que o persa, na verdade, não tem quase nada de oriental. “Seu grupo é mais ligado ao da Europa ocidental”, conta. A origem do peludo estaria no Mediterrâneo, e não no Irã, como o nome sugere. Já o siamês faz jus à alcunha: geneticamente, seu grupo pertence à Ásia. “É importante notar que, com a pobreza genética em termos de diversidade, os gatos domésticos estão suscetíveis a distúrbios do DNA, como doença renal policística, que costuma atacar os persas, e cegueira, um problema comum a várias raças”, afirma Lyon.

Amizade
“O interessante é que, diferentemente dos cachorros, que têm uma função importante para a casa, como a segurança, e, no passado, eram essenciais para afugentar grandes predadores, os gatos quase não contribuíram para a sobrevivência humana”, observa Monika Lipinski . Por isso, os cientistas ainda não entendem o porquê de o Homo sapiens ter se afeiçoado tanto a esses bichos. Uma das provas de que a companhia do gato foi conquistada menos por necessidade e mais por amizade é justamente a baixa variedade genética. Enquanto criadores de cachorros fizeram diversos cruzamentos ao longo da história para adaptar os cães a diferentes funções — caça, guarda, farejo de presas e vigilância, por exemplo —, os gatos foram pouco manipulados. Os cruzamentos, nesse caso, ocorreram com um único objetivo: deixá-los ainda mais bonitos.

A primeira evidência de domesticação dos gatos foi descoberta por Jean-Denis Vigne, pesquisador do Museu Nacional de História Natural, de Paris. Em um artigo publicado na revista Science, Vigne e sua equipe descreveram uma tumba na Ilha de Chipre, no Mediterrâneo, de 9,5 mil anos, onde estavam enterrados um ser humano e um gato. Na sepultura do indivíduo — a fragilidade dos ossos não permitiu saber se era um homem ou uma mulher —, continha várias pedras polidas, joias, ferramentas e outros itens que, possivelmente, eram oferendas.

Gato selvagem africano semelhante aos primeiros felinos domesticados pelo homem(foto: Ingrid van den Berg/AP )
Gato selvagem africano semelhante aos primeiros felinos domesticados pelo homem (foto: Ingrid van den Berg/AP )
Para Vigne, tratava-se de alguém rico, pela quantidade e qualidade dos objetos. A 40cm, estava o esqueleto do gato. O animal foi posicionado simetricamente em relação ao seu dono, com a cabeça voltada para o oeste. “Isso indica que, já naquela época, havia uma forte relação entre gatos e humanos. Possivelmente, os gatos eram considerados seres mágicos”, explicou o especialista à Science. Ele disse que não há evidências suficientes para se garantir qual o papel dos gatos no Neolítico, mas contou que já foram descobertas diversas imagens de gatos esculpidas em pedras, sugerindo que eram objetos religiosos.

No Egito, onde se acreditou por muito tempo que ocorreu a domesticação felina pela primeira vez, sabe-se que gatos representavam a divindade Bastet. Quando morriam, eram mumificados com a mesma pompa que seus donos. Em museus com acervo de egiptologia, como o Museu do Louvre, em Paris; o Museu Britânico, em Londres; e o Metropolitan, em Nova York, há diversas múmias de gatos, assim como objetos que os representam. O tratamento dispensado aos bichanos, porém, não era lá o melhor. Eles eram criados para adorar a deusa e, para isso, sacrificados e enterrados na cidade sagrada de Bastet.

A maioria, porém, não teve essa má sorte. Ao se espalhar pelo mundo com seus donos — há quem diga que, na verdade, o gato é que é o dono —, eles deixaram de ser usados em rituais e passaram a exercer uma função bem menos dramática: ronronar e arrancar suspiros dos apaixonados proprietários.


Fim do nomadismo
Irrigada pelos rios Jordão, Eufrates, Tigre e Nilo, essa região compreende, hoje, Israel, Cisjordânia, Líbano, Jordânia, Síria, Iraque, Egito, Turquia e Irã. É uma área fundamental na história da humanidade. Foi lá que, há 11 mil anos, o homem deixou de ser nômade e passou a se fixar no campo, de acordo com arqueólogos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade