Publicidade

Estado de Minas

Borboletas da floresta amazônica usam hibridização para sobreviver


postado em 16/05/2012 14:24

Paris - Borboletas brilhantes pretas e vermelhas que vivem nas margens da floresta amazônica desenvolveram técnicas extraordinárias de troca de genes para sobreviver, indicaram os cientistas nesta quarta-feira (16/5).

Diferentes espécies de borboletas Heliconius estão fazendo reprodução cruzada para terem cores nas asas, de acordo com a comparação de seu código genético. Esse tipo de troca entre espécies, também chamado de hibridização, é extremamente raro na natureza.

Geralmente, o resultado desse processo acaba sendo a morte, porque a prole gerada pela mistura raramente tem uma vantagem competitiva.

No entanto, as características cruzadas, vindas de borboletas de espécies tão próximas - a 'Heliconius timareta' e a 'Heliconius elevatus' - são facilmente adaptáveis a ambientes novos e em mutação.

"O que mostramos é que uma espécie de borboleta pode ganhar um padrão protetor de cor de uma espécie diferente se elas cruzarem entre si - um processo bem mais rápido do que ter que desenvolver um novo padrão do nada", explicou o pesquisador Kanchon Dasmahapatra, da Universidade de Londres.

O genoma trouxe outra surpresa. A delicada antena dessas borboletas tem pequenos receptores, e suas minúsculas patas têm papilas gustativas.

Em teoria, essas borboletas não seriam capazes de cheirar ou sentir o gosto dos alimentos muito bem, porque muito do seu material genético é voltado para valorizar sua aparência para atrair parceiros e se camuflar.

"Em vez disso, aprendemos que elas têm um rico repertório de genes olfativos e de sensações químicas", declarou Adriana Briscoe, da Universidade da Califórnia em Irvine, em um press release. O estudo foi publicado na revista científica Nature.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade