Publicidade

Estado de Minas

Arsenal de cuidados contra artrite reumatoide ameniza efeitos da inflamação


postado em 13/07/2012 08:00

Berlim — Uma doença sem cura, de danos irreversíveis, que limita ou até cessa a funcionalidade de partes do corpo, tornando extremamente difícil executar tarefas simples, como pegar um copo de água ou escrever. As causas da artrite reumatoide (AR) — inflamação degenerativa das articulações — ainda são desconhecidas, mas se sabe que, quanto mais cedo diagnosticá-la, maiores as chances de controlar seu avanço. A descoberta precoce também ajuda no combate às comorbidades, como os eventos cardiovasculares, que incluem o infarto do miocárdio, o acidente vascular cerebral (AVC) e a angina. Embora conhecido há cerca de uma década, o perigo de sofrer problemas no coração devido à AR é bem menos propagado que em casos de diabetes, pressão alta e colesterol descontrolado. “Essa relação não é tão difundida quanto deveria ser. Os pacientes precisam ser bem orientados e acompanhados por um cardiologista”, alerta o reumatologista do Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF) Luís Piva Júnior.

Números comprovam essa necessidade: as doenças cardíacas são a principal causa de morte (30% a 50%) em pessoas com artrite reumatoide. “O monitoramento cardiovascular já está sendo integrado ao tratamento regular dessa patologia”, expôs o reumatologista alemão Klaus Krüger, durante um workshop sobre doenças reumáticas em Berlim, na Alemanha, por ocasião do Eular — Congresso Europeu de Reumatologia —, ocorrido no mês passado. Krüger enfatizou que os médicos devem cuidar dos pacientes de AR como um todo, de forma holística, e encorajá-los a mudar estilos de vida, especialmente largar o fumo. “Somos bem-sucedidos quando nossos pacientes não têm de pensar na doença o tempo inteiro.”

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade