Publicidade

Estado de Minas

Especialistas alertam para a importância do consumo correto de sódio e sal


postado em 12/09/2012 09:22

Belo Horizonte — No interior, costumam brincar: “Quem gosta de sal é bezerro”, em referência ao suplemento mineral adotado desde o nascimento ao desmame do animal. Não fosse a incidência de hipertensão arterial, doença que atinge um em cada três adultos, poderíamos até concordar. O fato é que o sódio, presente não só no saleiro mas também em frutas, verduras, carnes, produtos industrializados e até na água, é consumido em excesso. A conta vem depois. A ingestão diária superior a 2g de sódio ou 5g de cloreto de sódio, o sal de cozinha, pode resultar em uma série de malefícios ao organismo.

Primeiramente adotado como conservante, o homem logo descobriu as propriedades do sal para temperar alimentos. O mineral também é indispensável para o funcionamento das células.

Leia mais notícias em Ciência&Saúde

Segundo o cardiologista Marcus Bolívar Malachias, diretor clínico do Instituto de Hipertensão Arterial de Minas Gerais, é ele que mantém o equilíbrio entre líquidos e sólidos no interior de cada célula. “Não fosse o sal, os líquidos sairiam das células. A hiponatremia, baixa de sódio no sangue, resulta em desordens.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade