Publicidade

Estado de Minas

Sociedade de Cardiologia reduz nível aceitável de LDL na população

O documento também avalia o risco de os pacientes sofrerem com problemas cardíacos nos próximos 10 anos


postado em 29/09/2013 08:05 / atualizado em 29/09/2013 09:35

Maria Antonia, com o último exame de sangue: por apresentar diversos fatores de risco, ela precisa manter o nível de colesterol ruim abaixo dos 70mg/ml(foto: Monique Renne/CB/D.A Press)
Maria Antonia, com o último exame de sangue: por apresentar diversos fatores de risco, ela precisa manter o nível de colesterol ruim abaixo dos 70mg/ml (foto: Monique Renne/CB/D.A Press)


A servidora pública Maria Antonia de Lima, 53 anos, ganha hoje um motivo a mais para se preocupar, ainda que, há pouco tempo, tenha respirado aliviada pelo mesmo motivo. Ao receber, alguns dias atrás, os resultados de seu último exame de sangue, ela comemorou a diminuição em quase 20% na taxa de LDL, conhecido como o “colesterol ruim”. Com o novo índice, ela havia entrado na faixa considerada desejável. Não estava no nível saudável (abaixo de 100 miligramas por mililitros de sangue), mas, pelo menos, tinha se distanciado dos alarmantes 154mg/ml anteriores.

No entanto, o entendimento médico sobre o estado de saúde de Maria Antonia foi alterado ontem, durante o 68º Congresso Brasileiro de Cardiologia, que reúne cerca de 10 mil especialistas no Rio de Janeiro. No primeiro dia do encontro, foi apresentada a V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose, da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). O novo documento revê uma série de fatores e determina uma nova forma de avaliar pacientes como a servidora pública, levando em conta características como idade, sexo e histórico familiar, entre outras.

O novo padrão de análise também estabelece uma divisão dos pacientes em três categorias: de alto, médio e baixo risco para problemas coronários nos próximos 10 anos. Os parâmetros consideram a servidora como de alto risco. Ela é hipertensa, fuma, não pratica exercícios físicos e tem casos de infartos na família. Por isso, ela precisa ter uma taxa de LDL menor que 70mg/ml. Bem abaixo dos 127mg/ml indicados no último teste.

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade