Publicidade

Estado de Minas

Manuscrito de Voynich segue padrão das línguas naturais, diz brasileiros

O trabalho pode ajudar especialistas a entenderem o conteúdo do documento


postado em 01/10/2013 10:06



Belo Horizonte —
Há tempos, um texto intriga o mundo. Escrito em uma língua enigmática, o Manuscrito de Voynich é conhecido como o livro que ninguém consegue ler. De fato, ainda não há quem entenda o significado da obra, recuperada em 1912, mas pesquisadores brasileiros, usando sistemas de computador, conseguiram atestar que o documento não é uma sequência aleatória de palavras. “Vimos que existe nele um padrão encontrado em línguas naturais”, revela o engenheiro de computação Diego Raphael Amancio, doutorando em física computacional na Universidade de São Paulo em São Carlos e um dos autores da análise. “Agora, ficam duas hipóteses em aberto: a linguagem pode ser nova ou ter sido criptografada.”

Com a pesquisa, que deve ser concluída no mês que vem, os especialistas esperam ajudar outros estudiosos a desvendar o mistério. Para isso, eles aplicaram o conceito de redes complexas para entender a lógica por trás do manuscrito. Depois de analisar um gráfico em que cada palavra é representada por um ponto, o trio chegou a um padrão de escrita do documento, levando em conta a forma como os termos se conectam. Em nenhum momento, considerou-se o significado. “Uma pessoa pode escrever sobre vários assuntos, mas sempre vai seguir o mesmo estilo de texto”, esclarece Amancio.

Leia mais notícias em Ciência&Saúde

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade