Publicidade

Estado de Minas

Filme 'A culpa é das estrelas' gera debate sobre a realidade do câncer

Mais de 95% dos pacientes com a doença que acomete a protagonista de A culpa é das estrelas são curados. Segundo especialistas, o filme e o best-seller têm um cenário muito sombrio sobre tumores na adolescência


postado em 08/06/2014 08:00 / atualizado em 07/06/2014 18:58

Augustus e Hazel: uma paixão entre adolescentes que sofrem com cânceres agressivos (foto: Fox Films/Divulgação)
Augustus e Hazel: uma paixão entre adolescentes que sofrem com cânceres agressivos (foto: Fox Films/Divulgação)

Hazel Grace pode mesmo culpar os astros pelo seu destino dramático. A protagonista do filme A culpa é das estrelas, que estreou na última quinta-feira, sofre de um mal raro para a sua idade: um câncer de tireoide diagnosticado aos 13 anos. A doença, que acomete apenas uma em cada 1 milhão de crianças por ano, costuma ter um final feliz na maioria dos casos de todas as faixas etárias, mas, em alguns pacientes, o drama é similar ao da literatura. Se não curado, o carcinoma pode se espalhar para outras partes do corpo e causar até mesmo a morte.

Leia mais notícias em Ciência & Saúde

O drama da adolescente doente que se apaixona por outro garoto em condição similar surgiu pela primeira vez em 2012, no best-seller homônimo de John Green, que, por sua vez, teria se inspirado em um caso real para criar a personagem. Mas, mesmo verossímil, o quadro de saúde ilustrado no romance é pouco comum. Tumores malignos de tireoide em crianças e adolescentes correspondem a menos de 3% de todos os cânceres na glândula e têm uma taxa de sobrevivência de 95%. As chances são melhores nos casos do tipo mais comum do tumor, o carcinoma papilar. Ele representa 70% dos casos e costuma ser resolvido com a retirada da glândula e dos nódulos, além do tratamento com iodo radioativo e hormônios.

O problema está nos raros quadros em que a doença se espalha pelo organismo. “A maior parte dos casos papilíferos nos adultos é de baixo risco”, ensina Valéria Guimarães, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). “Mas, quando é uma criança ou um adolescente, isso não é só para o câncer de tireoide, qualquer outro fica mais grave porque se trata de uma célula jovem que não deveria estar velha, multiplicando-se anomalamente”, explica. Nesses casos, é comum que a doença surja nos gânglios linfáticos, migre para os pulmões, para o sistema vascular e, em quadros mais graves, para os ossos.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade