Publicidade

Estado de Minas

Ingestão de vegetal pode ter contribuído para a extinção do neandertal

Ao analisar restos de fezes em um sítio arqueológico na Espanha, cientistas constataram que os neandertais não comiam apenas carne. O hábito alimentar pode ter dificultado a metabolização do colesterol


postado em 26/06/2014 06:15

Dieta de homem antigo tinha vegetais (foto: Nasa/Divulgação)
Dieta de homem antigo tinha vegetais (foto: Nasa/Divulgação)

Um grupo composto por pesquisadores da Universidade de La Laguna, na Espanha, e por técnicos do Massachusetts Institute of Technology (MIT) descobriu, no que podem ser as amostras de material fecal mais antigas do mundo, indícios de que o homem de neandertal consumia muito mais vegetais do que o imaginado. O material analisado foi retirado do El sal, um sítio arqueológico do paleolítico médio localizado na Espanha.

Leia mais notícias em Ciência & Saúde

As pesquisas no sítio surgiram a partir da tese de doutorado da cientista Ainara Sistiaga. A intenção inicial era encontrar antigos espaços em que os neandertais montavam fogueiras e cozinhavam. “Queríamos achar essas espécies de lareiras e, para isso, estávamos realizando pesquisas biomolecurares bastante abrangentes no local. Foi aí que encontramos os resíduos fecais”, relata Sistiaga. Antes das amostras, os cientistas haviam catalogado cinco dentes humanos, ferramentas de pedra e restos de animais que, provavelmente, serviram de alimento aos antigos.

Chefe do Laboratório de Micropaleontologia do Instituto de Geociências da Universidade de Brasília (UnB), Ricardo Pinto esclarece que as análises do trabalho não foram feitas exatamente em coprólitos, que são as fezes fossilizadas. “Os autores estudaram compostos químicos — ou seja, biomarcadores — presentes no sedimento de um local em que viveram neandertais. As substâncias químicas investigadas são produzidas como resultado da digestão de carne ou de vegetal e liberadas nas fezes”, explica. As substâncias presentes no excremento provavelmente permaneceram no solo e, assim, foi possível detectá-las por meio de análises químicas do terreno do sítio.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade