Publicidade

Estado de Minas

Pesquisa indica que traumas podem ser desenvolvidos ainda no útero materno

Estudos mostram que bebês são capazes de aprender medos com as mães, ao identificar o odor exalado por elas em situações de estresse. Isso pode explicar - e ajudar a tratar - fobia, depressão e ansiedade


postado em 03/08/2014 08:03

Durante nove meses, aquele é um abrigo inviolável. Uma garantia de que nada de ruim vindo do mundo externo poderá agredir o bebê. Mas o útero materno não tem só coisas boas para oferecer. Ali, mesmo antes de nascer, a criança já pode começar a desenvolver traumas. Pesquisas recentes indicam que, em situações de medo, o odor de substâncias químicas secretadas pelo organismo da mãe é identificado pelo feto, que aprenderá a associar esses cheiros a coisas ruins. Segundo os cientistas, muitas fobias e pavores inexplicáveis podem ter origem na fase intrauterina ou nos primeiros dias de vida.

Leia mais notícias em Ciência e Saúde


O estudo mais recente foi publicado na revista Pnas, da Academia Nacional de Ciências dos EUA. Nele, pesquisadores da Universidade de Michigan e da Universidade de Nova York investigaram o comportamento de roedores cujas mães aprenderam a temer o cheiro de hortelã. Os cientistas demonstraram que as ratinhas ensinaram esse medo à descendência nos primeiros dias de vida, por meio do odor que exalavam em situações de estresse.

Os pesquisadores acreditam que a descoberta vai ajudar a compreender um fenômeno que ainda desafia estudiosos da saúde mental: como experiências traumáticas podem afetar profundamente uma criança, ainda que tenham ocorrido muito tempo antes de ela nascer. Há inúmeros relatos do tipo na literatura médica.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade