Publicidade

Estado de Minas

Estudo do MIT mostra que missão à Marte pode não passar de 68 dias

O projeto Mars One, criado por um empresário holandês tem como objetivo colonizar o planeta vermelho a partir de 2025 e documentar toda a experiência em um reality show.


postado em 24/10/2014 17:06 / atualizado em 24/10/2014 17:46

A missão Mars One prevê gastos de seis bilhões para iniciar a colonização de Marte(foto: AFP PHOTO/MARS ONE)
A missão Mars One prevê gastos de seis bilhões para iniciar a colonização de Marte (foto: AFP PHOTO/MARS ONE)


Mars One é nome de um ambicioso projeto que pretende dar início à colonização de Marte a partir de 2025. Em andamento desde 2012, o projeto prevê apenas uma viagem de ida ao planeta vermelho. No entanto, um estudo feito pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) mostrou este mês que a aventura pode não passar de 68 dias.

O pesquisador Sydney Do e seu time fizeram simulações durante 26 meses para avaliar a viabilidade da missão. De acordo com os resultados apresentados na União Astronômica Internacional, no Canadá, o maior problema enfrentado pela equipe colonizadora seria o excesso de oxigênio produzido pelo cultivo de alimentos em um ambiente fechado, isso porque o projeto prevê enviar 25 a 40 pessoas que possam cultivar e utilizar os recursos do planeta para sobreviver.

O excesso de oxigênio levaria os participantes à morte por asfixia em menos de 68 dias. Para resolver o problema, poderiam ser usados equipamentos de ventilação para eliminar a grande quantidade de O2 sem prejudicar os níveis de nitrogênio. Porém, a tecnologia necessária para resolver o dilema não chegou a ser testada fora da Terra, e aqueles equipamentos testados em nosso planeta têm grandes chances de parar de funcionar após a decolagem.

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

Apesar dos problemas encontrados por Sydney Do, o time que se prepara para o lançamento daqui mais de dez anos continua confiante. “É claro que manter seres humanos vivos em Mar é extremamente difícil. Você precisa entender que existem muitas coisas incertas e desconhecidas e aqueles que são apaixonados e inspirados vão entender e fazer isso da mesma maneira”, afirmou o canadense Tyler Reyno à CBC News.

O recrutamento de pessoas começou ano passado e recebeu mais de 200 mil candidaturas - das quais mais de 10 mil vieram de brasileiros. Em geral, o que move os voluntários à astronauta é o desejo de entrar para a História como colonizadores de um novo planeta.

O treinamento dos primeiros escolhidos terá início ano que vem, quando eles irão ter contato com ensinamentos de várias disciplinas, que oferecerão desde conhecimentos técnicos para resolver problemas na aeronave a instrução sobre procedimentos médicos, fisioterapêuticos e até psicológicos, que podem ser necessários para a tripulação.

O Mars One, que tem orçamento de seis bilhões de dólares, foi lançado em maio de 2012 pelo empresário holandês Bars Landorp e conta o apoio de empresas privadas do setor aeroespacial.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade