Publicidade

Estado de Minas

O tempo dos homens: cientistas discutem a criação de uma nova era geológica

"Antropoceno" seria centrada na ação dos humanos sobre a terra a partir do milênio passado


postado em 12/03/2015 06:06

Não há dúvidas de que as atividades humanas podem ser sentidas e até medidas em escala global. Mas será que essa influência é tão forte quanto as antigas forças da natureza que transformaram para sempre a Terra? Pesquisadores da University College of London (UCL), no Reino Unido, dizem que sim. Em uma pesquisa publicada na edição de hoje da revista Nature, eles defendem que o planeta entrou em uma nova época geológica, o Antropoceno, e afirmam ainda que ela começou pouco tempo atrás, no milênio passado.

A discussão vem na esteira de um debate já antigo sobre a validade do Antropoceno como uma unidade do tempo geológico do planeta — que tem 4,5 bilhões de anos, divididos em centenas de eras, períodos e épocas. A proposta será avaliada em 2016 por um subgrupo da Comissão Internacional de Estratigrafia, órgão científico da União Internacional de Ciências Geológicas (IUGS) que define normas para a escala do tempo na história da Terra. Enquanto não há consenso, pesquisadores de todas as partes do mundo esforçam-se para fortalecer as teorias que sustentam o Antropoceno, nome dado a uma época em que o homem, e não uma força natural, como um meteoro ou vulcão, é responsável pelas alterações no planeta.

Um desses estudiosos é o professor Simon Lewis, do Departamento de Geografia da UCL. Ele liderou os pesquisadores em um revisão de eventos históricos ocorridos nos últimos 50 mil anos para identificar quais assinaturas antropogênicas deixadas em registros geológicos preenchem os requisitos formais para o reconhecimento de uma nova época. Para isso, dois critérios precisavam ser obedecidos: alterações de longa duração na Terra e mudanças ambientais que sejam globais e estejam gravadas em rochas e gelos antigos ou sedimentos do solo oceânico.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade