Publicidade

Estado de Minas

Pesquisadores da UFMG desenvolvem filtro capaz de separar água e óleo

Medida ajudando a reduzir os efeitos de desastres em plataformas de petróleo


postado em 12/05/2015 06:17

O coordenador do projeto, Jadson Belchior, destaca que
O coordenador do projeto, Jadson Belchior, destaca que "a tecnologia é perfeitamente móvel, podendo ser instalada ou transportada de acordo com a necessidade"

 

Belo Horizonte — Danos ambientais causados por derramamento de petróleo poderão ser amenizados por uma nova tecnologia de absorção. Um filtro hidrofóbico, que separa água e petróleo com eficácia de até 99%, desenvolvido por pesquisadores do Departamento de Química do Instituto de Ciências Exatas (Icex) da UFMG, permite que a separação seja feita em alto-mar. Com isso, o processo torna-se mais rápido e barato. Hoje, quando há esse tipo de acidente, o óleo misturado à água necessita ser transportado até terra firme para, então, receber o tratamento que separa as duas substâncias. Sessenta por cento do líquido transportado geralmente é água. Trata-se de um processo caro e bastante oneroso.

Água e óleo não se misturam devido à polaridade das moléculas. A água é polar. O óleo, por sua vez, apolar. Nas últimas três décadas, pelo menos cinco grandes acidentes culminaram em vazamentos de grandes quantidades do óleo poluente em alto-mar no Brasil. Todos envolvendo plataformas de petróleo.

O projeto começou a ser desenvolvido em 2010. Na primeira fase, foram desenvolvidos tablets (tijolinhos), que absorvem petróleo, mas não água. Em seguida, os pesquisadores criaram o filtro de um tecido (TNT) hidrofóbico. Na terceira etapa, os especialistas produziram um pré-protótipo que permite a análise do filtro. A fase atual está concentrada no protótipo de bancada — processo chamado de estudo “up-scale”.

Economia
“Com o filtro, não há gasto para transporte da água contaminada até a terra firme. Funciona da seguinte forma: o equipamento é levado para a plataforma e a água é bombeada para o filtro. Depois do processo de separação, a água é devolvida limpa ao mar. O petróleo é depositado nos compartimentos do navio, estando pronto para uso e comercialização”, explica o coordenador do projeto, professor Jadson Belchior. “Como a filtragem passa a ocorrer no mar, os navios precisam transportar apenas o petróleo. Carregando menos volume, há uma considerável economia de gastos”, acrescenta.

Além de a água não se misturar ao óleo, o derramamento no mar (salgado) é agravado pela movimentação das ondas, substâncias e outros tipos de impurezas. Por meio da aplicação de tecnologia hidrofóbica, o filtro desenvolvido pelo Icex consegue devolver a água ao mar: somente o óleo é armazenado. A tecnologia consiste no tratamento químico do tecido usado na construção do filtro, um processo realizado em laboratório.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade