Publicidade

Estado de Minas

Cientistas criam exame que detecta sifílis em 15 minutos

Cientistas da Fiocruz criam exame que, com apenas uma gota de sangue, procura mais indícios biológicos da doença e acusa a existência dela em 15 minutos


postado em 20/07/2015 06:00

Causada pela bactéria Treponema pallidum, a sífilis é uma das doenças sexualmente transmissíveis que mais crescem no país. No Distrito Federal, de 2007 a 2013, o aumento de casos foi de 22% — São Paulo registrou 603% no mesmo período. Preocupante, o avanço também impacta quem está começando a viver. A sífilis congênita, quando o micro-organismo é passado de mãe para filho, segue o ritmo de subida, de 5.832 registros no país em 2005 para 13.705 em 2013 (135%). Descobrir a enfermidade o quanto antes está entre as propostas de especialistas para conter o problema. Em fase final de teste, um exame criado no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), da Fiocruz, segue essa lógica.

O kit consegue acusar a doença de forma simples e em apenas 15 minutos. A partir de uma gota de sangue, a sondagem usa bases treponêmicas e não treponêmicastreponêmicas para a triagem da infecção. Atualmente, o teste feito para diagnosticar a sífilis é apenas o treponêmico, que apresenta uma desvantagem: uma vez que o paciente tenha tido a DST, os testes continuarão dando resultado positivo, mesmo após o tratamento bem-sucedido. O exame não treponêmico identifica se a doença prevalece no indivíduo. Portanto, a combinação dos dois aumenta a eficácia do procedimento.

Leia mais notícias em Saúde


Os últimos testes da Fiocruz foram feitos com 517 voluntários — pessoas que tiveram o sangue coletado em duas maternidades, um hospital especializado em tratamento para a Aids e um de atendimento geral. Segundo Nara Rubim, pesquisadora da Bio-Manguinhos, “a sensibilidade e a especificidade das amostras avaliadas atingiram índices próximos a 100%”.

O kit, cujo desenvolvimento conta com parceira da empresa norte-americana Chembio Diagnostics INC, já foi registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A ideia é usar o teste no Programa Cegonha e nas ações relativas a DST”, conta Ramon Lemos, um dos responsáveis pelo estudo.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade