Publicidade

Correio Braziliense

Em nome do 'mal menor', fumo eletrônico ganha espaço entre especialistas

Ganha força, entre especialistas, a ideia de que é preciso recomendar a fumantes alternativas menos prejudiciais à saúde, como cigarros eletrônicos e produtos que não envolvem a queima do tabaco


postado em 19/11/2017 08:00 / atualizado em 18/11/2017 22:41

Para especialistas, se uma pessoa não consegue parar de fumar, que ela, pelo menos, possa fazer escolhas menos prejudiciais(foto: Kleber Lima/CB/D.A Press)
Para especialistas, se uma pessoa não consegue parar de fumar, que ela, pelo menos, possa fazer escolhas menos prejudiciais (foto: Kleber Lima/CB/D.A Press)

  
Washington, DC — Desde os anos 1960, quando cresceram as evidências científicas de que o cigarro é prejudicial à saúde e causa males como doenças cardíacas e câncer, mais e mais países buscam fechar o cerco contra o tabagismo. Alertas estampados nas embalagens, campanhas de esclarecimento e proibição de fumo em locais fechados são algumas das medidas que ajudaram países como o Brasil a reduzir consideravelmente o número de fumantes nas últimas décadas.

Porém, apesar dos avanços, a luta contra o tabaco parece longe do fim. Ainda hoje, o cigarro e produtos semelhantes provocam cerca de 7 milhões de mortes no mundo a cada ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). E, mesmo no Brasil, um dos países considerados modelos no combate a esse tipo de vício, há aproximadamente 18 milhões de fumantes, de acordo com o Ministério da Saúde.

Diante desse cenário, especialistas começam a debater estratégias de redução de danos para diminuir o impacto negativo do tabaco. A ideia por trás desse princípio é simples: se uma pessoa não consegue parar de fumar, que ela, pelo menos, possa fazer escolhas menos prejudiciais. Na conferência deste ano do Instituto Legal de Alimentos e Drogas (FDLI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, realizada há poucas semanas em Washington, duas estratégias com esse viés ocuparam o centro do debate: reduzir a quantidade de nicotina nos cigarros e estimular as pessoas que não conseguem parar de fumar a migrar para produtos menos nocivos, como cigarros eletrônicos e outras alternativas que começam a chegar ao mercado.

Menos viciante


A primeira medida é a grande aposta da nova direção da FDA, agência governamental que regula alimentos e drogas nos Estados Unidos. Em 28 de julho passado, o órgão anunciou um plano de redução do índice de nicotina nos cigarros vendidos no país, após receber autorização do Congresso americano para esse tipo de intervenção. Um cigarro com menos nicotina, acredita a FDA, será menos viciante e tornará mais fácil a tarefa de parar de fumar. “A nicotina é o centro do problema, mas também é a peça mais importante para a solução”, resume Mitchell Zeller, diretor do Centro para Produtos de Tabaco da FDA, presente na conferência.

São necessárias mais pesquisas para comprovar que a tese das autoridades americanas está certa. Mas já há estudos indicando que a estratégia pode dar certo. Um deles foi conduzido por Eric C. Donny, professor de psicologia da Universidade de Pittsburgh e um dos palestrantes no evento. Publicada há dois anos na revista especializada The New England Journal of Medicine, a pesquisa de Donny mostrou que, ao receber maços de cigarro modificados, com menos nicotina, um grupo de fumantes passou a consumir menos cigarros e apresentou maior taxa de sucesso em largar o vício do que um grupo de controle.

Antes de implementar a proposta, porém, a FDA espera ouvir cientistas, governo e indústria. Uma preocupação são efeitos não previstos da medida, como o estímulo a um mercado paralelo e ilegal, especializado em cigarros com mais nicotina e, portanto, mais atraentes para quem é dependente da substância. E há dúvidas sobre se se trata de uma boa ideia. Há alguns céticos, como Clive Bates, que, entre 1997 e 2003, trabalhou em campanhas para reduzir o fumo no Reino Unido. “É como acreditar que vender uísque com 1% de álcool faria as pessoas pararem de beber. Não faria. Elas apenas buscariam outra fonte de álcool”, defende.

Para outras pessoas, no entanto, como o ativista antitabaco Dave Dobbins, à frente da Truth Initiative, ONG dedicada a afastar jovens e adultos do tabaco, a FDA não só faz a aposta certa como pode inspirar outras nações a fazer o mesmo. “Você não pode ser bem-sucedido (na luta contra o tabaco) a não ser que você tente. Eu acredito que o doutor Zeller está muito comprometido com a ideia. E eu adoraria ver países como o Brasil tentando fazer algo parecido”, analisa.

Não queime


A segunda ação muito discutida na conferência do FDLI também provoca polêmica. Enquanto alguns especialistas e até mesmo governos começam a recomendar que os fumantes que não conseguem largar o tabaco migrem para produtos menos prejudiciais, outros relutam em fazer tal sugestão, por considerarem que ainda falta informação.

Nesse segundo grupo, estão pessoas como Dobbins. “Às vezes sou cobrado por não recomendar às pessoas que troquem o cigarro comum pelo eletrônico. Mas eu devolvo a pergunta: qual cigarro eletrônico eu vou recomendar? Há centenas deles no mercado e não sabemos o suficiente sobre eles. Não sabemos quais atendem padrões mínimos de segurança para os consumidores, se há algum sabor com substâncias cancerígenas que não deveriam estar lá, se alguma marca entrega quantidades excessivas de nicotina para o consumidor. Ainda falta conhecimento”, argumenta.

Há, porém, os que estão convencidos de que a melhor estratégia para aqueles que não conseguem parar de fumar é se afastar do tabaco queimado. Isso porque hoje se sabe que o câncer provocado pelo fumo não se deve à nicotina, mas a outras dezenas de substâncias liberadas na combustão do tabaco.

Assim, seria melhor a pessoa receber a dose de nicotina por meio de cigarro eletrônico, que não envolve a queima do tabaco, do que de um cigarro ou um charuto. “Eu diria a meus pacientes: não use nenhum desses produtos, mas, se você não consegue, ao menos elimine o tabaco queimado de sua vida”, orienta David Abrams, professor da Escola de Saúde Pública Global da Universidade de Nova York.

"Eu diria a meus pacientes: não use nenhum desses produtos, mas, se você não consegue, ao menos elimine o tabaco queimado de sua vida"
David Abrams, professor da Escola de Saúde Pública Global da Universidade de Nova York

"Às vezes sou cobrado por não recomendar às pessoas que troquem o cigarro comum pelo eletrônico. Mas eu devolvo a pergunta: qual cigarro eletrônico eu vou recomendar? Há centenas deles no mercado e não sabemos o suficiente sobre eles"
Dave Dobbins, ativista antitabaco à frente da ONG Truth Initiative

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade