Mulher com útero transplantado dá à luz nos Estados Unidos

Esta é a primeira vez que uma paciente com útero transplantado gera uma vida em seu próprio ventre, nos Estados Unidos. Na Suécia, oito mulheres já foram submetidas ao procedimento

Dr.

Robert T. Gunby Jr Dr. faz o parto da mulher que recebeu o útero transplantado. - Foto: Shannon Faulk/Baylor University Medical Center at Dallas 

A ciência está em festa com o nascimento de um bebê, nos Estados Unidos. A mãe é uma mulher com o útero transplantado, o que deu à notícia, celebrada no país e no mundo, um sabor a mais.  Em entrevista ao jornal The New York Times, o porta-voz do Centro Médico da Universidade de Baylor, em Dallas, Julie Smith, disse que a família, hoje, pede privacidade. Por isso, nome, data de nascimento da criança e a cidade que eles moram não serão divulgados.

O parto aconteceu em novembro. 

 

A mãe da criança nasceu sem útero, mas, em 2006, recebeu o transplante de uma doadora viva.

 

Uma nova esperança

De 2014 para cá, oito bebês já nasceram pelo mesmo procedimento. Todos na Suécia, segundo o NYT. O transplante dá esperanças à mulheres que desejam ser mães, mas não podem, por terem retirado o útero ou, como no caso da paciente norte-americana, nasceram sem o órgão. Pesquisadores estimam que, só nos Estados Unidos, 50 mil mulheres possa se candidatar aos transplantes.

 

No hospital Bayler, oito pacientes já foram transplantadas, incluindo a nova mamãe, em uma clínica habilitada para atender dez mulheres. Uma delas já está grávida. Outras duas estão na fila para o procedimento ciúrgico. Quatro transplantadas rejeitaram o órgão e tiveram que retirá-lo logo após a cirurgia.  

 

O transplante

O procedimento ainda está em fase experimental. Atualmente, a cirurgia é paga por verbas de pesquisas. Caso a cirurgia se torne uma prática médica comum, disponível ao público, deve custar milhões de doláres – sem valor estimado até então. Além de caro, e inovador, o método ainda é considerado perigoso, tanto para o receptor quanto para o doador. A gravidez é tida como de alto risco e geralmente não chega a completar as 40 semanas. O parto é feito, sempre, por cesárea. Após o nascimento do bebê, o útero é retirado do corpo da mulher, para que ela não precise mais tomar os remédios controlados, ingeridos na intenção de fazer com o que o corpo não rejeite o órgão.

 

*Estagiária sob supervisão de Anderson Costolli

.