Publicidade

Correio Braziliense

Austrália desvenda mais antigo mistério militar da I Guerra Mundial

Esta foi a primeira perda de um submarino aliado durante a I Guerra Mundial e seu desaparecimento era o mistério naval mais antigo da história da Austrália


postado em 21/12/2017 07:20 / atualizado em 21/12/2017 07:41

Sydney, Austrália - O mistério mais antigo da história militar da Austrália acaba de ser desvendado com a descoberta do local do naufrágio de seu primeiro submarino, mais de um século após o desaparecimento na costa de Papua Nova Guiné. O "HMAS AE1", o primeiro dos dois submarinos Class E fabricados pela Marinha Real australiana, desapareceu em 14 de setembro de 1914 perto das ilhas Duke of York, com 35 tripulantes a bordo, britânicos, australianos e neozelandeses.

Ver galeria . 9 Fotos Desaparecimento do HMAS AE1 era o mistério naval mais antigo da história da AustráliaFugro Survey/AFP
Desaparecimento do HMAS AE1 era o mistério naval mais antigo da história da Austrália (foto: Fugro Survey/AFP )

 

Esta foi a primeira perda de um submarino aliado durante a I Guerra Mundial e seu desaparecimento era o mistério naval mais antigo da história da Austrália. O submarino foi localizado a mais 300 metros de profundidade na zona de desaparecimento, com a ajuda do "Fugro Equator", um navio de busca que a Austrália também utilizou para tentar localizar o voo MH370 desaparecido da Malaysia Airlines. "Após 103 anos, o mistério naval mais antigo da Austrália encontrou sua conclusão", declarou a ministra da Defesa, Marise Payne.

Ela espera que a descoberta permita entender as causas do naufrágio. O submarino foi fabricado em fevereiro de 1914 em Porstmouth, sul da Inglaterra, e chegou a Sydney em maio. 

O "HMAS AE1" integrou as forças navais responsáveis por capturar as colônias alemãs no Pacífico. Ao lado do submarino "AE2" participou nas operações que resultaram na ocupação liada da Nova Guiné alemã. Payne disse que o governo australiano está em contato com as autoridades de Papua para preservar o local e organizar uma cerimônia em memória dos mortos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade