Publicidade

Correio Braziliense

Esterco pode ser usado para produzir papel, descobrem pesquisadores

Depois de trabalhar com esterco de cabra, Bismark e o aluno de pós-doutorado da Universidade de Viena Andreas Mautner foram atrás de fezes de cavalo, vaca e até elefantes


postado em 23/03/2018 06:00

Fezes de animais com alimentação à base de vegetal tem muita celulose(foto: Kathrin Weiland/Divulgação)
Fezes de animais com alimentação à base de vegetal tem muita celulose (foto: Kathrin Weiland/Divulgação)
Pode não ser a primeira coisa que se pensa sobre as fezes do elefante, mas esse material se mostrou uma excelente fonte de celulose para a fabricação de papel em países onde árvores são escassas. E, em regiões com muitos animais de fazenda, como vacas, reciclar o esterco para fazer produtos de papelaria pode ser um método barato e sustentável, afirmaram cientistas da Universidade de Viena, durante o encontro anual da Sociedade Americana de Química.

A ideia de transformar esterco em papel surgiu quando o químico Alexander Bismarck estava em férias em um vilarejo rural. Ele observava as cabras se alimentando do pasto seco, quando teve o insight. “Percebi que o produto final dessa refeição seria matéria vegetal parcialmente digerida. Então, deveria ter celulose lá”, recorda. “Animais comem biomassa contendo celulose, mastigam isso e expõem esse material a enzimas e ácido em seus estômagos e produzem o cocô. Dependendo do animal, até 40% do esterco é formado de celulose, que é facilmente obtida”, diz. Dessa forma, gasta-se menos energia e investe-se menos em tratamentos químicos para transformar o material parcialmente digerido em nanofibras de celulose, pensou o cientista.

Depois de trabalhar com esterco de cabra, Bismark e o aluno de pós-doutorado da Universidade de Viena Andreas Mautner foram atrás de fezes de cavalo, vaca e até elefantes. A equipe tratou o material com uma solução de hidróxido de sódio. A substância remove parcialmente a lignina, que, depois, pode ser usada com fertilizante ou combustível, assim como outras impurezas, incluindo proteínas e células mortas.

Desinfetante

Para remover totalmente a lignina e produzir polpa branca para fazer o papel, o material tem de ser lavado com hipoclorito de sódio, um desinfetante e alvejante. A celulose purificada requer pouca, se alguma, moagem para quebrar em nanofibras na preparação para uso em papel, diferentemente de métodos convencionais.

“Você precisa de muita energia para reduzir a madeira em nanocelulose”, explica Mautner. Mas, com as fezes como matéria-prima, é possível reduzir o número de passos porque o animal já mastigou a planta e a “tratou” com ácidos e enzimas. “Você produz uma nanocelulose barata, que tem as mesmas ou até melhores propriedades que a nanocelulose da madeira, com menos gasto energético e consumo químico”, diz o pesquisador.

A equipe agora investiga se o processo pode ser ainda mais sustentável, produzindo, primeiro, biogás com o esterco e, depois, extraindo as fibras de celulose do resíduo. O biogás, composto principalmente por metano e dióxido de carbono, também pode ser usado como combustível para gerar energia ou calor.

"Você produz uma nanocelulose barata, que tem as mesmas ou até melhores propriedades que a nanocelulose da madeira, com menos gasto energético e consumo químico”
Andreas Mautner, integrante da pesquisa e aluno de pós-doutorado da Universidade de Viena

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade