Publicidade

Correio Braziliense

Primeiro transplante de pênis e escroto é feito nos EUA

Todo o pênis, o escroto sem os testículos e parte da parede abdominal vieram de um doador falecido


postado em 23/04/2018 15:44

A equipe médica Drs. Richard Redett, Trinity Bivalacqua, Brandacher Gerald, Arthur Bud Burnett e W.P. Andrew Lee, professor e diretor de cirurgia plástica e reconstrutiva da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em pé perto de um manequim(foto: Johns Hopkins Medicine/ AFP )
A equipe médica Drs. Richard Redett, Trinity Bivalacqua, Brandacher Gerald, Arthur Bud Burnett e W.P. Andrew Lee, professor e diretor de cirurgia plástica e reconstrutiva da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em pé perto de um manequim (foto: Johns Hopkins Medicine/ AFP )


Washington, Estados Unidos -
Médicos na Universidade Johns Hopkins (JHU, na sigla em inglês) anunciaram nesta segunda-feira (23/4) a conclusão do primeiro transplante total de pênis e escroto em um militar que foi ferido no Afeganistão. A cirurgia com 14 horas de duração foi feita em 26 de março por uma equipe de nove cirurgiões plásticos e dois cirurgiões urologistas, disse a JHU em nota.

"Estamos otimistas que esse transplante vai ajudar a restabelecer as funções urinária e sexual próximo do normal para este jovem homem", disse W.P. Andrew Lee, professor e diretor de cirurgia plástica e reconstrutiva na Escola de Medicina da JHU.

Todo o pênis, o escroto sem os testículos e parte da parede abdominal vieram de um doador falecido. O militar pediu anonimato, mas divulgou uma curta nota, dizendo que espera deixar o hospital na semana que vem. 

"É um ferimento realmente incompreensível, não é fácil de aceitá-lo", disse. "Quando acordei, finalmente me senti mais normal", completou. 

A nota não descreveu como o paciente se feriu. Transplantes penianos já haviam sido feitos, mas a soma do escroto representa um avanço adicional para a medicina.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade