Publicidade

Correio Braziliense

Poluição nos afeta até quando estamos dentro de casa, mostram pesquisas

De acordo com o documento, em 2016, 3,8 milhões de óbitos foram causados pela poluição gerada pelos combustíveis fósseis usados para cozinhar, aquecer e iluminar as casas


postado em 02/05/2018 06:00 / atualizado em 01/05/2018 22:26

Se o ar que se respira nos ambientes externos representam risco real de morte, dentro de casa a situação é tão grave quanto, mostra o relatório da OMS. De acordo com o documento, em 2016, 3,8 milhões de óbitos foram causados pela poluição gerada pelos combustíveis fósseis usados para cozinhar, aquecer e iluminar as casas. “A poluição atmosférica ameaça a todos nós, mas os mais pobres e mais marginalizados são os que mais suportam esse fardo”, escreveu, em nota à imprensa, Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da organização. “É inaceitável que mais de 3 bilhões de pessoas, a maioria mulheres e crianças, continuem respirando fumaça letal de fogões poluentes e combustíveis em suas casas. Se não tomarmos providências urgentes, nunca chegaremos nem perto de um desenvolvimento sustentável.”

Cerca de 40% da população mundial não tem acesso a fontes limpas para cozinhar e dependem da lenha, um combustível fóssil extremamente tóxico, para preparar os alimentos. Esse também é percentual de pessoas para as quais falta eletricidade; por isso, dependem de querosene e outros poluentes para iluminação e aquecimento das casas. De acordo com Ghebreyesus, a OMS monitora a poluição do ar doméstica há mais de uma década e, embora a taxa de acesso à tecnologia limpa esteja aumentando em todos os lugares, “as melhorias não seguem o mesmo ritmo do crescimento da população em muitas partes do mundo, particularmente na África Subsaariana”.

Na coletiva de imprensa, Maria Neira destacou que, apesar da falta de progressos, há mudanças positivas pontuais, caso do México, da Índia e da China, de acordo com ela. A especialista cita a iniciativa indiana Pradhan Mantri Ujjwala Yojana, que, em dois anos, forneceu a 37 milhões de mulheres que vivem abaixo da linha da pobreza eletricidade gratuita. A Cidade do México se comprometeu a banir o diesel de veículos de passeio até 2025. “A China declarou uma guerra à poluição, e isso nos dá um pouco de esperança, pois um dos países com maiores riscos associados à poluição está dando passos largos. Se há um mínimo de vontade política, mesmo com poucos recursos você consegue fazer muita coisa”, declarou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade