Publicidade

Correio Braziliense

Estudo feito por brasileiro pode ajudar na luta contra o câncer de pulmão

Em testes envolvendo 1.274 pacientes com tumor avançado, imunoterapia aumenta tempo de vida e provoca menos efeitos colaterais


postado em 10/06/2018 08:00 / atualizado em 09/06/2018 19:41

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
 
Chicago (Estados Unidos) — Estudo liderado por um brasileiro trouxe esperança de maior tempo de vida — e com melhor qualidade — para pessoas com câncer de pulmão em estágio avançado ou metastático. O teste dividiu 1.274 pacientes em dois grupos. Um deles recebeu imunoterapia com pembrolizumabe e o outro foi submetido à quimioterapia, tratamento clássico para esse tipo de tumor. Participantes do primeiro grupo viveram uma média de quatro a oito meses a mais que os do segundo. Além disso, sofreram menos efeitos colaterais severos (18%), se comparados aos pacientes da terapia tradicional  (41%).

“Um grande número de pacientes com câncer de pulmão agora tem uma nova opção de tratamento, com mais eficácia e menos efeitos colaterais que a quimioterapia padrão”, disse o autor líder do estudo, o brasileiro Gilberto Lopes, oncologista do Sylvester Comprehensive Cancer Center, da Universidade de Miami, nos Estados Unidos. “Nosso estudo mostra que o pembrolizumabe oferece mais benefícios que a quimioterapia a dois terços de todos as pessoas com o tipo mais comum de câncer pulmonar”, completou.

Os resultados, considerados animadores pela comunidade científica, foram apresentados durante a sessão plenária do encontro anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco), realizado na semana passada, em Chicago. A imunoterapia ou a quimioterapia foi a primeira linha de tratamento para os 1.274 pacientes que participaram do estudo — o maior teste clínico já realizado com pembrolizumabe como terapia isolada, segundo os autores.

De acordo com Gilberto Lopes, todos os pacientes estudados tinham PD-L1 — um biomarcador usado comumente para prever a resposta a inibidores de barreiras imunológicas, incluindo o pembrolizumabe. Os tumores com mais PD-L1 (alta expressão) responderam melhor ao tratamento imunológico. Os que apresentavam 20% ou mais de PD-L1, por exemplo, tiveram 17,7 meses de vida com pembrolizumabe, contra 13 meses dos que receberam quimioterapia. Já a proporção para os que apresentavam 50% ou mais de PD-L1 chegou a 20 meses, contra 12,2 meses de sobrevida.

Outro ponto analisado foram as reações secundárias. “Os efeitos colaterais graves se apresentaram em menos de 20% dos pacientes com imunoterapia e em 40% dos pacientes com quimioterapia”, comemorou Lopes. O médico explicou ainda que algumas pessoas submetidas ao pembrolizumabe não responderam ao tratamento: aproximadamente metade dos pacientes com PD-L1 de 50% ou mais e cerca de 70% dos que tinham PD-L1 de 1%.

Isso, porém, não desanima o cientista, já que estudos mostram que, de forma geral, pensando em todos os tipos de tumores, cerca de 20% a 30% dos pacientes com câncer avançado e que têm indicação de imunoterapia respondem bem ao tratamento. Para o futuro, Lopes vê na combinação de terapia (imuno mais químio) um tratamento padrão para câncer de pulmão.

Carro-chefe

Marcelo Cruz, oncologista clínico e pesquisador da Northwestern University, de Chicago, ressalta que a imunoterapia (veja infográfico) tem sido o grande destaque nas últimas cinco edições da Asco, maior congresso de oncologia do mundo. “Ela é recente e não veio para substituir a quimioterapia ou a terapia-alvo. Pode ter um grande papel como monoterapia em diversos tumores, mas a gente está aprendendo que a combinação ainda vai ser o carro-chefe de muitos tratamentos, por exemplo, de câncer de pulmão. A imunoterapia sozinha ajuda, mas estamos percebendo que, com químio, é melhor ainda. A gente está aprendendo como ela deve ser encaixada no tratamento do paciente.”

O médico brasileiro, com residência em Chicago, ressalta que o grande desafio, agora, é entender como a imunoterapia pode ser encaixada no tratamento. “Será que hoje é para câncer metastático? Mas já tem estudos para doenças em fase inicial. Será que você estimular o sistema imunológico a combater o câncer lá no começo não é melhor do que quando já tem a doença espalhada pelo corpo? Talvez, sim. E é o que a gente está aprendendo aqui.”

Apesar de tudo ser muito recente, Marcelo Cruz ressalta que, no estágio de conhecimento atual, a imunoterapia tem se mostrado bastante eficiente no tratamento de alguns tipos de tumores, como melanoma, de pulmão, do trato urinário e de intestino, inclusive, como primeira linha de terapia. “Alguns cânceres reagem melhor do que outros. Mas a imuno está no começo ainda. Certamente, vão ter novas moléculas, novos agentes imunoterápicos melhores do que o que a gente tem hoje.”

Um outro grande desafio, segundo o oncologista, está em descobrir por que um grande número de pacientes não se beneficia da imunoterapia. “Estamos tentando entender quais são os biomarcadores que fazem com que um grupo responda bem e outro, não.” Marcelo explica ainda que, em relação aos Estados Unidos e aos países europeus, o Brasil sofre com a demora de aprovação de alguns imunoterápicos. “Existe aí um gap de uns três anos. E isso, para tratamento de câncer, que exige pressa, é ruim.”
18% dos pacientes que receberam pembrolizumabe (a imunoterapia) sofreram reações colaterais. No grupo submetido à químio, a taxa foi de 41%.

Três perguntas para

Gilberto lopes, 
oncologista do Sylvester Comprehensive Cancer Center, da Universidade de Miami, e autor da pesquisa
 
(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)
 

Qual é o grande ganho que esse estudo traz para o paciente?
A quimioterapia, em geral, pode ajudar o paciente a viver um pouco mais de tempo, a melhorar a qualidade de vida, mas associada com muitos efeitos secundários. A gente também sabe que a maioria dos pacientes que responde à quimioterapia deixa de responder em alguns meses e falece entre um e dois anos. O que a gente quis fazer nesse estudo foi testar a imunoterapia com o pembrolizumabe. Esse agente bloqueia um tipo de freio do sistema imunológico que faz com que as células de defesa do paciente passem a reconhecer o câncer e a lutar contra ele, fazendo com que diminua de tamanho e a pessoa possa, obviamente, ter menos sintomas e viver mais tempo.

Que tipo de paciente mais se beneficia com o pembrolizumabe?
A gente aprendeu, nos últimos anos, que o pembrolizumabe parece ter melhores respostas quando os tumores têm algo que a gente chama de PD-L1, que é um marcador, um teste feito com uma técnica chamada imuno-histoquímica. Por isso, o estudo comparou pacientes que tinham câncer de pulmão avançado dos dois tipos histológicos típicos, escamoso e não escamoso, e esses pacientes precisavam ter um PD-L1 de 1% ou mais. O estudo mostrou que esses pacientes que receberam imunoterapia viveram mais tempo e com menos efeitos colaterais. Quanto mais alto o PD-L1, mais eles viveram.

Todos os pacientes tratados com pembrolizumabe responderam ao tratamento?
Não. Mais ou menos a metade dos pacientes com PD-L1 de 50% ou mais respondeu à terapia e cerca de 30% dos que tinham PD-L1 de 1% ou mais, também. Mas é um resultado muito animador. Outra opção que a gente vai ter agora é a combinação de quimioterapia com imunoterapia e, provavelmente, esse venha a ser o nosso padrão de tratamento, porque as respostas parecem ser ainda melhores com a combinação. Esse é o próximo passo.
 
* A jornalista viajou a convite da Pfizer 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade