Publicidade

Correio Braziliense

Start-up japonesa planeja chuva de meteoros artificial para 2020

A ALE, com sede em Tóquio, está nos estágios finais do desenvolvimento de dois microssatélites que irão liberar pequenas bolas que brilham intensamente quando entram na atmosfera


postado em 21/07/2018 09:08 / atualizado em 21/07/2018 09:14

(foto: Ethan Miller/Getty Images/AFP)
(foto: Ethan Miller/Getty Images/AFP)

 
Tokyo, Japão - Uma start-up japonesa que desenvolve "estrelas cadentes sob demanda" diz que estará pronta para entregar a primeira chuva de meteoros artificial do mundo em um show espetacular em Hiroshima no início de 2020. 

A ALE, com sede em Tóquio, está nos estágios finais do desenvolvimento de dois microssatélites que irão liberar pequenas bolas que brilham intensamente quando entram na atmosfera, simulando uma chuva de meteoros. 

O primeiro satélite vai pegar uma carona para o Espaço em um foguete que será lançado pela agência espacial japonesa em março de 2019. 

O segundo será lançado em meados de 2019 em um foguete do setor privado. 

"Estamos mirando em todo o mundo, já que nosso estoque de estrelas cadentes estará no Espaço e poderá ser distribuído pelo mundo", disse a chefe executiva da ALE, Lena Okajima, a repórteres na quarta-feira. 

Cada satélite poderá carregar 400 bolinhas cuja fórmula química é um segredo bem guardado. Ejetadas do satélite, as bolas brilharão quando mergulharem na atmosfera. 

As 400 bolas serão suficientes para 20 a 30 eventos, segundo a empresa, e os satélites poderão ficar no Espaço por cerca de dois anos. 

A empresa também está explorando a possibilidade de usar satélites já no Espaço que não estejam mais em operação para criar estrelas cadentes "gigantes", disseram autoridades. 

"Estamos planejando empurrar um satélite usado para a atmosfera em uma órbita alvejada para criar uma estrela cadente artificial gigante", disse Ko Kamachi, engenheiro-chefe da ALE, acrescentando que a ideia ainda está na fase de pesquisa básica. 

Os dois satélites da ALE começarão a orbitar a Terra em fevereiro de 2020, preparando a primeira entrega de estrelas cadentes artificiais do mundo, na primavera de 2020, sobre a cidade de Hiroshima, no oeste do Japão. 

Os satélites podem ser usados %u200B%u200Bseparadamente ou em conjunto, e serão programados para ejetar as bolas no local, velocidade e direção certos para fazer um show para os telespectadores no chão. 

Okajima disse que a empresa escolheu Hiroshima para sua primeira exibição por causa de seu bom clima, paisagem e bens culturais. 

A ALE está trabalhando em colaboração com cientistas e engenheiros de universidades japonesas, além de funcionários do governo local e patrocinadores corporativos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade