Publicidade

Correio Braziliense

Técnica que estimula cérebro com pulsos elétricos ajuda a tratar o diabetes

Terapia estudada por holandeses reduz significativamente a necessidade de insulina, segundo teste com voluntários


postado em 15/08/2018 06:00 / atualizado em 15/08/2018 09:25

Nova estratégia pode render tratamentos mais eficazes, já que ela abre a possibilidade de atingir alvos específicos(foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Nova estratégia pode render tratamentos mais eficazes, já que ela abre a possibilidade de atingir alvos específicos (foto: Marcos Santos/USP Imagens)

O diabetes atinge grande parcela de brasileiros e, por ser incurável, tem um tratamento que dura toda a vida. Em busca de alternativas terapêuticas mais eficazes, pesquisadores da Holanda estudaram os efeitos da estimulação elétrica do cérebro (DBS, em inglês) e perceberam, em testes clínicos, que a intervenção neural reduz fortemente a necessidade de insulina. Os resultados do trabalho com 15 voluntários foram divulgados na revista Science Translational Medicine.

Segundo Mireille Serlie, pesquisadora do Departamento de Endocrinologia e Metabolismo da Universidade de Amsterdam e autora principal do estudo, havia a necessidade de maior investigação sobre possíveis vínculos entre metabolismo da glicose e funções cerebrais. Além da desconfiança de que o neurotransmissor dopamina poderia estar envolvida nesse processo, estudos com animais sugeriam relação entre o núcleo accumbens — região do cérebro ligada à recompensa — e a regulação da glicose.

A equipe holandesa optou por trabalhar com voluntários que combinavam outra complicação clínica. “Foi demonstrado que a DBS aumenta a liberação de dopamina no corpo estriado (área cerebral) em pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Decidimos, então, estudar o metabolismo da glicose especificamente nessa população de pacientes”, conta Serlie.

Os investigadores aplicaram a técnica que fornece impulsos elétricos nas células cerebrais de um paciente obeso com diabetes tipo 2 e de 14 pacientes com TOC não diabéticos. Os pesquisadores monitoraram as concentrações de glicose no sangue dos participantes ao logo das sessões e descobriram que o tratamento com DBS aumentou a sensibilidade à insulina em ambos os grupos, além de reduzir fortemente a necessidade de insulina no voluntário com a doença metabólica.

O aumento da ativação de neurônios que têm receptores de dopamina também elevou a tolerância à glicose e a sensibilidade à insulina em experimento com camundongos. Além disso, em um experimento paralelo, a equipe reduziu os níveis de dopamina em 10 indivíduos saudáveis, o que gerou uma resposta oposta à da DBS: a redução da sensibilidade à insulina.

Pelos resultados atingidos, Serlie ressalta que a DBS representa uma ferramenta terapêutica promissora para lidar com as bases metabólicas do diabetes. Porém, ele e os colegas ressaltam que novos testes precisam ser feitos. “Primeiro, queremos realizar pesquisas mais básicas sobre os circuitos neurais envolvidos no efeito sobre o metabolismo da glicose. Teremos, então, que estudar como podemos manipular esses caminhos e traduzir esses achados para estudos em humanos.”

Para Serlie, essa estratégia pode render tratamentos mais eficazes, já que ela abre a possibilidade de atingir alvos específicos. “Ela levará a uma abordagem mais direcionada e ajudará a decidir quais áreas do cérebro e quais vias são mais promissoras em relação à modulação da glicemia em pacientes com diabetes”, explica a cientista.

Processo invasivo

Nasser Allam, neurologista e doutor em neurociências pela Universidade de Brasília (UnB), pondera que, apesar de o trabalho holandês trazer dados de extrema importância, outros pontos precisam ser explorados para que possa ser possível entender melhor os resultados. “É um estudo muito interessante por mostrar a relação entre a dopamina e a resistência à insulina, mas temos que destacar que essa estimulação elétrica do cérebro, muito usada para o tratamento do Parkinson, é um processo bastante invasivo. Você precisa implantar o aparelho no paciente, o que dificultaria um tratamento para o diabetes”, justifica.

O médico acredita que, por esse motivo, pode ser interessante testar um outro modo de estimulação, como a magnética. “Ela pode ser feita em qualquer paciente e conseguiria agir da mesma forma em relação à dopamina”, explica. Allam ressalta ainda que, como é difícil confirmar que os resultados obtidos foram gerados apenas pela dopamina e não por outros neurotransmissores, os cientistas holandeses precisarão aprofundar o estudo. “Quando você estimula o cérebro, uma série de mecanismos é alterada, não temos como comprovar que esses dados foram gerados apenas pela dopamina. A serotonina, a glicina, todos podem ter uma influência”, diz.

O especialista acredita que pesquisas com um número maior de pacientes poderão ajudar a esclarecer essas dúvidas. “Essas pesquisas abrem um leque de oportunidades, um horizonte em que se pode estudar melhor a relação entre a dopamina e a resistência à insulina, com o aumento do número de pacientes analisados e também a identificação de alterações desses outros neurotransmissores, mostrando qual o papel de cada um nesse mecanismo”, sugere Allam.

Incidência em alta


A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 16 milhões de brasileiros tenham diabetes e que a incidência da doença esteja crescendo: 61,8% nos últimos 10 anos. O Brasil ocupa o 4º lugar no ranking de países com maior número de casos, perdendo apenas para China, índia e Estados Unidos. Especialistas explicam que uma série de fatores desempenham papel importante no avanço da enfermidade metabólica, como obesidade, alimentação inadequada e sedentarismo, problemas bastante recorrentes em nações em desenvolvimento.



Ela (a nova terapia) levará a uma abordagem mais direcionada e ajudará a decidir quais áreas do cérebro e quais vias são mais promissoras em relação à modulação da glicemia em pacientes com diabetes” 
Mireille Serlie, pesquisadora do Departamento de Endocrinologia e Metabolismo da Universidade de Amsterdam e autora principal do estudo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade