Publicidade

Correio Braziliense

Hedy Lamarr, atriz e cientista, é homenageada em Viena

A cidade entregou nesta quinta-feira o primeiro "Prêmio Hedy Lamarr" para um projeto inovador de uma mulher no campo das novas tecnologias


postado em 04/10/2018 17:16

Um documentário americano lançado este ano conta sua incrível vida no cinema e pioneira das novas tecnologias(foto: Reprodução )
Um documentário americano lançado este ano conta sua incrível vida no cinema e pioneira das novas tecnologias (foto: Reprodução )
"Femme fatale" na Hollywood dos anos 1940, a atriz Hedy Lamarr recebeu uma homenagem póstuma por sua carreira científica de sua cidade natal Viena, que criou um prêmio de inovação com seu nome.

A cidade entregou nesta quinta-feira o primeiro "Prêmio Hedy Lamarr" para um projeto inovador de uma mulher no campo das novas tecnologias.

Um justo reconhecimento da estrela de Hollywood proclamada "a mulher mais bonita do mundo", contemporânea de Ava Gardner e Greta Garbo, e cujos talentos científicos foram ignorados por muito tempo.

O prêmio, no valor de 10 mil euros, será dado a "austríacos excepcionais que, como Hedy Lamarr, moldaram o mundo digital de amanhã".

Porque a sedutora de "Sansão e Dalila" de Cecil B. DeMille (1949) - seu maior sucesso de bilheterias - estabeleceu as bases para a tecnologia wifi e GPS.

Descoberta por um diretor austríaco quando era adolescente, ela ganhou fama mundial por ter simulado um orgasmo em um filme tcheco de 1933, "Ekstase", uma das primeiras abordagens ao erotismo no cinema.

Paralelamente à carreira em Hollywood, ela que nasceu Hedwig Eva Maria Kiesler em Viena, em 1914,  continuou a se interessar pela ciência e atualidade.

Em 1941, ela apresentou com o compositor de vanguarda George Antheil uma patente de "salto de frequência", pela qual um transmissor de rádio e seu receptor passavam de uma frequência para outra para impedir que o sinal fosse interceptado.

A descoberta pretendia permitir que as ondas dos rádios dos navios de guerra americanos não fossem embaralhadas pelos navios alemães. A ideia era tão inovadora que a Marinha americana percebeu tardiamente a importância do que é hoje a base para comunicações seguras e rápidas.

Reduzida a uma imagem glamourosa, Hedy Lamarr não falava sobre o seu jardim secreto e morreu em 2000, aos 86 anos, em relativo anonimato. Um documentário americano lançado este ano conta sua incrível vida no cinema e pioneira das novas tecnologias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade