Publicidade

Correio Braziliense

Criado em 1889, sistema internacional de referência de peso será atualizado

Segundo especialistas, a troca dará mais precisão aos cálculos científicos e não vai alterar as pesagens cotidianas


postado em 14/11/2018 06:00 / atualizado em 13/11/2018 22:20

Criado em 1889, o quilo base já perdeu 50 microgramas(foto: Ho/BIPM/AFP)
Criado em 1889, o quilo base já perdeu 50 microgramas (foto: Ho/BIPM/AFP)

Sobre um cilindro em platina iridiada com 3,9 centímetros de comprimento e 3,9 centímetros de diâmetro pesa uma responsabilidade mundial. A peça, apelidada de o grande K, é o protótipo internacional do quilograma (IPK), usada como padrão para todas as medidas de massa. Tamanha incumbência, porém, está com os dias contados. Em maio do próximo ano, ela será substituída por um valor imutável e imaterial: a constante de Planck (h), da Física Quântica.

A principal justificativa para a aposentadoria do grande K é matemática. Mesmo sob muitos cuidados no Bureau Internacional de Pesos e Medidas (BIPM) em Sèvres, perto de Paris, a peça sofre com a ação do tempo. Os cientistas perceberam que a massa do protótipo internacional variou ligeiramente em relação às seis cópias feitas na mesma época em que o grande K foi criado, em 1889, e também conservadas no BIPM. Em medida feita neste ano, a massa do IPK divergiu da massa da média dessas réplicas em cerca de 50 microgramas.

Por conta da diferença, o BIPM multiplicou as precauções para proteger o protótipo internacional, mas especialistas acreditam que é hora de modernizar o padrão. Thomas Grenon, diretor-geral do Laboratório Nacional de Metrologia e de Testes, na França, chama a atenção para o fato de o quilograma ser a única das principais medidas ainda não redefinida. “É a última unidade de medida baseada em um artefato físico. O problema é que ele vive sua vida, ele pode flutuar, o que não é de todo satisfatório, vistos os níveis de precisão de que precisamos hoje”, justifica.

Balança de watt


A nova definição do quilograma formulada com base na constante de Planck será avalizada pelos principais especialistas em medição, que estão reunidos até sexta-feira, na 26ª reunião da Conferência Geral de Pesos e Medidas (CGPM), em Versalhes, oeste de Paris. A constante foi descoberta em 1900 pelo físico Max Planck.

O instrumento de medida para o quilograma também será novo. O padrão será medido por uma balança de watt, que consegue comparar energia mecânica com eletromagnética usando duas experiências separadas. Assim, a forma de medir o quilo não muda, o que não acontece quando a referência é um objeto físico.

São poucos os países que já têm a uma balança de watt. Um deles é a França, que desenvolveu uma no Laboratório Nacional de Metrologia e de Testes. Ao contrário, as balanças com a medida vigente do quilograma são adquiridas com facilidade. Os países têm seus padrões, que são comparados periodicamente com cópias históricas do grande K, que também são confrontadas com o padrão supremo.

Segundo os especialistas, a mudança terá impacto nos trabalhos científicos, que demandam cálculos com alto nível de precisão. Para as vivências cotidianas, como ir à feira e pesar as frutas ou acompanhar os efeitos na balança dos exageros do fim de semana, o bom e velho quilo continuará o mesmo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade