Publicidade

Correio Braziliense

Correio promove seminário sobre desafios de combater a sífilis; inscreva-se

A conversa é aberta ao público e começa às 14h, no auditório do jornal. As inscrições podem ser feitas gratuitamente no site


postado em 11/12/2018 06:00

(foto: Ministério da Saúde/Divulgação)
(foto: Ministério da Saúde/Divulgação)
 
Causada por bactéria, a sífilis é uma das mais preocupantes infecções sexualmente transmissíveis, principalmente devido às suas complicações — entre elas, a sífilis congênita (da mãe para o filho) e o comprometimento do sistema neurológico. De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, a doença apresentou um aumento de 27,9% nos casos de 2015 para 2016. Entre as gestantes, o crescimento dos episódios foi de 14,7%. As infecções por sífilis congênita subiram 4,7%.

Com foco no problema, o Correio Braziliense promove, na próxima quinta-feira, o Correio Talks: infecções sexualmente transmissíveis e os desafios ao combate à sífilis no Brasil. O evento, com a participação de especialistas, terá o objetivo de dialogar sobre a importância do conhecimento e da prevenção da infecção e reforçar a necessidade de diagnóstico precoce e do tratamento. A conversa é aberta ao público e começa às 14h, no auditório do jornal. As inscrições podem ser feitas gratuitamente no site.

“Muitas pessoas ainda acham que essas doenças não existem mais, ou não sabem bem como se prevenir”, diz Valéria Paes, presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal e convidada do evento. De acordo com ela, é necessário alertar a população que esse é um problema de saúde pública importante. “A captação de casos pelos sistemas de vigilância epidemiológica é facilitada porque o diagnóstico vem por meio do exame laboratorial de sorologia para sífilis. No entanto, outras IST, como HPV, gonorreia e cancro também são frequentes. Todas estão relacionadas à redução do uso de preservativos, e temos que nos aprofundar em saber por que isso está acontecendo.”

O Correio Talks contará também com a presença da diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde, Adele Benzaken; e da consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Eliana Bicudo.

De acordo com o Ministério da Saúde, as ISTs são causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos. A terminologia substitui a expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir um vírus ou bactéria, mesmo sem estar necessariamente doente. O atendimento e o tratamento são gratuitos no Sistema Único de Saúde.

O evento no Correio faz parte do calendário de atividades do Dezembro Vermelho, mês marcado pela Campanha Nacional de Prevenção ao HIV/Aids e a outras infecções sexualmente transmissíveis. O objetivo é prevenir e dar assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas infectadas, com atividades e mobilizações, como a iluminação de prédios públicos com luzes vermelhas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade